Arquivo da tag: sptrans

A oferta do transporte público confere com a demanda da população?

Lotação de ônibus em São Paulo vai de encontro com as medidas propostas pela Prefeitura

Foto: WRI Brasil

No dia 05 de junho de 2020 foram disponibilizados dois mil ônibus a mais para a cidade de São Paulo a fim de evitar aglomerações no transporte público. Porém, diante das diversas ocorrências e não respeito à medida de proteção, os ônibus estão cada dia mais lotados. A Prefeitura de São Paulo estabeleceu então uma recomendação para que ônibus municipais viajassem apenas com passageiros sentados. 

A SPTrans, empresa que gerencia o transporte público da capital, encaminhou circular no último sábado (06 de junho) para empresas concessionárias de ônibus orientando que as viagens sejam realizadas sem exceder a capacidade máxima de passageiros sentados. Assim, os motoristas possuem autorização para não parar em pontos de embarque, caso o coletivo se encontre com todos assentos ocupados.

No entanto, nesta quarta-feira, dia 10 de junho, houve a reabertura do comércio na capital e ônibus lotados circulavam com passageiros em pé. No corredor da avenida Dona Belmira Marin, no Grajaú (zona sul de São Paulo), local observado pelo jornal Folha, muitos ônibus apresentavam passageiros viajando nos degraus e encostados na porta em razão da lotação. Situação similar ocorre na linha de ônibus que realiza o trajeto de Guaianases (zona leste de SP) para o Metrô Tatuapé, segundo G1 nesta última terça (09 de junho). 

Como solução, a Secretaria Municipal de Transportes anunciou que seriam adicionados 784 coletivos aos dois mil previstos para operar. Além da disponibilização de mais ônibus, avisos sonoros no terminal Grajaú (zona sul de São Paulo) informam sobre a determinação de que passageiros não devem viajar em pé. Mesmo assim, algumas linhas partem do terminal já cheias, de acordo com o Agora.

A medida, implantada no dia 08 de junho (segunda-feira), não têm apresentado bons resultados. Com isso, o prefeito Bruno Covas disse que deu um prazo de cinco dias para que seu secretário municipal de Transportes, Edson Caram, garanta que os ônibus circulem na cidade apenas com passageiros sentados.

A partir da necessidade de equilíbrio entre oferta e demanda da frota de ônibus e entendimento dos principais locais com maior necessidade de aumento na quantidade de linhas operantes, esse momento se torna essencial para garantir a segurança da sociedade e a viabilidade econômica do serviço. 

Em entrevista ao Agora é Simples, Roberto Speicys, cofundador da Scipopulis, empresa focada em cidades inteligentes e mobilidade urbana, afirma que a principal fonte de informações para o planejamento do transporte público em São Paulo é a pesquisa Origem e Destino, realizada pelo Metrô a cada 10 anos. O planejamento correto envolve prover segurança à população no que diz respeito à utilização do meio de transporte.

Segundo a SPTrans, as equipes de campo da empresa seguem monitorando a movimentação de passageiros e ajustará a frota de acordo com a demanda da população, em especial aos trabalhadores de serviços essenciais. Até o momento, não há previsão de multa caso a recomendação não seja cumprida pelas empresas de ônibus, mas elas serão notificadas.

Isso é obrigatório.
Isso é obrigatório.

SPTrans divulga programação dos ônibus durante carnaval

Site contém informações sobre desvios em decorrência de blocos carnavalescos

A SPTrans, administradora do sistema de ônibus da capital paulista, divulgou a página especial do carnaval da cidade, com informações sobre alterações no itinerário das linhas de ônibus.

Nos dias de folia clientes do transporte público deverão consultar a página para saber sobre mudanças ou até cancelamentos de linhas.

No site a SPTrans informa ainda que as linhas que não atendem aos sábados em dias normais, também não irão circular na segunda, 24.

Para acessar as informações, basta digitar o nome ou o nº da linha.

Saiba como ficam linhas de ônibus durante o pré-carnaval

SPTrans divulga esquema especial dos ônibus durante a folia

A SPTrans terá um esquema especial para atender a população durante o pré-carnaval na cidade de São Paulo. Por conta dos desfiles de blocos de rua, estão previstas alterações em 560 linhas de ônibus nos dias 15 e 16 de fevereiro.

Para melhor atender a população, a SPTrans criou um site especial para o Carnaval 2020, em que é possível consultar os desvios das linhas de ônibus municipais para a passagem de blocos.

A página é atualizada constantemente e mostra se há programação de mudança de itinerário para cada linha consultada. O principal objetivo do serviço é facilitar a mobilidade de quem utilizará ônibus nos próximos fins de semana.

A população será informada também por meio de adesivos fixados nos pontos de ônibus. Os adesivos contêm um QR Code que leva ao site especial da SPTrans.

Aproximadamente 690 funcionários da SPTrans estarão em ação 24 horas por dia durante o Carnaval, atuando nas mais diversas frentes de trabalho.

Confira os trajetos dos desvios das linhas de ônibus em no site ou pelo telefone 156.

Bilhete Único antigo com saldo superior a R$43 será cancelado na 2ª

Bilhetes anônimos e/ou emitidos antes de 2014 precisam ser trocados por novos modelos.

Em abril a Prefeitura de São Paulo e a SPTrans anunciaram medidas para reduzir as fraudes no Bilhete Único. Entre elas, o cancelamento de bilhetes anônimos (ou todos aqueles emitidos antes de 2014) com saldo superior a R$43. 

Bilhetes anônimos não estão atrelados ao CPF do portador e, por isso, estão mais sujeitos à fraudes. Até pouco tempo o bilhete único anônimo podia ser adquirido em postos físicos, portanto, mesmo quem possui um bilhete pós 2014 precisa se atentar caso não tenha um bilhete associado ao CPF, chamado de Personalizado ou Identificado.  

O prazo inicial terminava em julho, mas por decreto da gestão municipal o prazo de cancelamento dos bilhetes com mais de R$43 em saldo foi adiado para 1º de outubro. O prazo se encerra na próxima segunda. 

Após 1º de outubro bilhetes com mais de R$43 serão cancelados, quem solicitar um novo cadastrado no site da SPTrans ainda pode transferir o saldo excedente para um novo bilhete até a data limite.

Bilhetes anônimos com créditos do tipo vale-transporte não serão cancelados. 

Abaixo, modelos de cartões que estão entre os que serão cancelados. Caso possua um desses, se informe sobre como fazer um novo Bilhete Único Personalizado.

Cartões anônimos


Confira as cotas de passes para estudantes em julho

Estudantes da capital paulista possuem direito ao Passe Livre ou à meia-tarifa no transporte público, de acordo com o perfil socioeconômico e tipo de instituição de ensino. O benefício, porém, é diminuido durante o perído de férias em dezembro e julho. Em janeiro não são disponibilizadas.

A tabela abaixo foi dividida de acordo com o número de cotas que o estudante possui, o que vai impactar diretamente na cota das férias. Para estudantes que têm o máximo de cotas possível do benefício, 48, em julho poderão ser usadas 24. A faixa de cotas menor, 10 ao mês, terá 4 durante as férias. Confira as cotas para estudantes em julho:

Cotas Fevereiro a junho

Julho

Agosto a Novembro

Dezembro

48

48

24

48

24

38

38

18

38

20

28

28

14

28

14

18

18

8

18

10

10

10

4

10

6

Cada cota dá direito a duas viagens de até duas horas com quatro embarques cada.

Para estudantes que possuem o direito à gratuidade total, a distribuição de cotas se dá da seguinte forma:

Cotas Fevereiro a junho

Julho

Agosto a Novembro

Dezembro

24

24

12

24

12

19

19

09

19

10

14

14

07

14

07

09

09

04

09

05

05

05

02

05

03

Cursos semestrais ou encerrados no primeiro semestre não dão direito à cota em julho. Consulte a sua situação cadastral no site da SPTrans.

Para renovação do benefício, quando for o caso, por exemplo em cursos semestrais que irão continuar depois de julho, renove o benefício na página de estudante da SPTrans. Não há custo na renovação.

No manual do aluno há mais informações. Caso precise de mais passes, compre digitalmente e economize tempo, neste post damos dicas de recargas online do Bilhete Único sem taxas.

O que são sistemas de bilhetagem eletrônica e como evoluir para a Bilhetagem Digital

Você sabe diferenciar a bilhetagem eletrônica da digital? Nesse texto você saberá os benefícios de cada uma e como a nova era digital pode contribuir para que o transporte público saia da crise atual

Bilhetagem eletrônica ao lado da bilhetagem digital

Muita gente pesquisa sobre bilhetagem eletrônica buscando entender mais sobre o conceito, a implantação e as tecnologias envolvidas.

O que muita gente não sabe é a história do ramo no país, além das inovações que estão sendo criadas nesse momento e que visam diminuir os principais atritos em relação a prestação de serviços de bilhetagem eletrônica no transporte público.

Nesse texto você verá:

  1. O que é a bilhetagem eletrônica?
  2. Principais benefícios da bilhetagem eletrônica
  3. Prejuízos no Bilhete Único
  4. A simples troca de cartões não é a solução definitiva
  5. Bilhetagem Digital: o novo paradigma
  6. Por que mudar a tecnologia de bilhetagem embarcada em ônibus?
  7. A Bilhetagem Digital da ONBOARD

Saiba o que é bilhetagem eletrônica no transporte público e conheça a implantação da nova Bilhetagem Digital:

Comemorando 15 anos em 2019, o Bilhete Único de São Paulo é o maior sistema de bilhetagem eletrônica do país. Primeiramente adotada nos ônibus em 2004 e com adesão no Metrô e CPTM em 2006. O sistema de bilhetagem eletrônica, por meio do Bilhete Único, permitiu:

  • Antecipar o fluxo de caixa das empresas de transporte;
  • Reduzir custos com emissão dos antigos bilhetes de papel e tarja magnética;
  • Diminuir o dinheiro embarcado e, consequentemente, aumentar a segurança;
  • Oferecer condições comerciais mais atrativas aos passageiros a partir de integrações tarifárias.

Todas estas novidades iam ao encontro do que era mais moderno à época para bilhetagem no mundo, a exemplo de experimentos na América do Norte e Europa. Porém, com o tempo, a tecnologia se tornou obsoleta.

Em um sistema defasado se abrem portas para fraudes. Isso acontece pois os padrões de segurança de cartões antigos e massivamente difundidos são mais fáceis de serem fraudados, sem contar nas limitações em inovação.

O que é bilhetagem eletrônica?

O sistema de bilhetagem eletrônica é composto pelos equipamentos e softwares responsáveis pelo pagamento e administração das passagens no transporte público, ou seja, o processo de emissão, venda e compra de créditos/passes para acesso aos transportes.

Bilhetagem eletrônica compreende cartões, validadores e todo o sistema necessário para seu funcionamento. No caso, os validadores são aquelas máquinas onde encostamos o cartão, além de todo sistema que compõe essa tecnologia. 

Atualmente, a maior parte das organizações do ramo apontam práticas que atrasam a renovação e a evolução tecnológica da bilhetagem brasileira e, consequentemente, do transporte público como um todo. Ainda em 2003, em relatório, a Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP) comentava sobre os sistemas de bilhetagem eletrônica e seu engessamento.

“[O]s cartões e bilhetes somente podem ser comprados dos fornecedores, onerando bastante as compras. Outra grande restrição para os sistemas é a exigência de se pré-formatar/inicializar os cartões inteligentes somente pelo fornecedor de tecnologia, prejudicando muitas vezes a logística de distribuição – compra, armazenamento e venda”.

Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP, 2003).

Isso pouco mudou e ainda hoje o relacionamento entre fornecedores de tecnologia e empresas de transporte não atinge todo seu potencial.  A dependência do transporte público em relação à poucas empresas de tecnologia atrasou o desenvolvimento de relacionamento com o consumidor e inovação que poderiam rejuvenescer e ajustar sistemas de transporte tão carentes de mudanças. 

Porém, hoje, o setor de tecnologia tem em mãos instrumentos fundamentais para a transformação da mobilidade urbana para melhor, com o objetivo final de movimentar toda a cadeia positivamente e entregar melhores serviços ao consumidor final. 

Quais os benefícios da bilhetagem eletrônica?

Em 2008, a European Metropolitan Transport Authorities já abordava as múltiplas possibilidades que a bilhetagem eletrônica poderia oferecer, tais como:

Para o poder público

  • Unificação da bilhetagem;
  • Fontes de dados para planejamento;
  • Melhor controle de receitas e subsídios;
  • Extensão do esquema tarifário para outros players, como táxis.

Para as operadoras do transporte público

  • Novos consumidores com abordagem moderna;
  • Aumentar o lucro operacional médio e reduzir a fraude;
  • Reduzir custos de manutenção;
  • Aumento de agilidade à bordo;
  • Possibilidade de adicionar novos serviços;
  • Fontes de dados para marketing e planejamento.

Para o consumidor do transporte público

  • Conveniência, velocidade e praticidade sem o dinheiro;
  • Jornadas tranquilas e práticas mesmo em modais diferentes;
  • Facilitação na aquisição de créditos;
  • Serviços adicionais, quando disponíveis.

Podemos notar que a bilhetagem eletrônica, por meio dos cartões de transporte, também chamados de smartcards adotados no Brasil, como o Bilhete Único, possibilitaram alguns desses benefícios aos envolvidos nos sistemas de transporte urbano.

Outros benefícios, porém, foram subutilizados e alguns inclusive são desafios que a bilhetagem precisa resolver no contexto atual.

Podemos citar como principais desafios o combate à fraude, o relacionamento com o consumidor e a extensão do esquema tarifário para outras plataformas, assunto especialmente importante hoje.

Prejuízos no Bilhete Único

Em 2019, CPTM e Metrô, concessionárias do transporte por trilhos em São Paulo, contrataram auditorias para averiguar a queda de arrecadação proveniente do Bilhete Único – que é administrado pela São Paulo Transporte, SPTrans – enquanto o número de passageiros aumentava.

As companhias alegaram que não havia lógica e a principal suspeita eram as fraudes ocorridas no sistema de bilhetagem gerido pela SPTrans. A CPTM afirmou ter perdido 192 milhões de reais no Bilhete Único em 2018.

A bilhetagem eletrônica foi desenvolvida para simplificar a vida de passageiros e diminuir custos do transporte público. Entretanto, pode contribui para a perda crônica de passageiros ao permitir milhões em fraude que poderiam ser revertidos em investimentos. Além disso, não permitem explorar totalmente os benefícios de pagamentos digitais na nova era.

A simples troca de cartões não é a solução definitiva

A associação do Bilhete Único ao cartão de plástico é inevitável, mas é importante fazermos a distinção entre o serviço e o meio. O Bilhete Único é o serviço possibilitado através da bilhetagem eletrônica, e o smartcard é o meio, ou seja, o cartão inteligente sem contato que viabiliza a utilização do serviço. Assim, muitas das fraudes que acontecem hoje ocorrem devido ao uso de smartcards antigos, que já tiveram inúmeros mecanismos antifraude quebrados.

Diante disso, empresas de transporte do país todo têm trocado seus cartões por versões mais modernas e de difícil falsificação. Inclusive a SPTrans fez isso de uma forma muito inteligente, reduzindo os benefícios do cartão antigo como o limite de saldo para estimular a troca pelo novo.

Entendemos, porém, que a simples troca de cartões não é a solução definitiva para a fraude. Tampouco para as outras limitações que a bilhetagem eletrônica atual cria no sistema. Para uma mudança de verdade, é necessário mudar nossa relação com as tecnologias existentes.

No Brasil, tradicionalmente, os sistemas de bilhetagem eletrônica sofrem muito com a necessidade de retrocompatibilidade com as versões anteriores. A dificuldade torna cada vez mais difícil a adequação destes sistemas legados aos novos meios de pagamento.

Esses sistemas, que não se adequaram à diversidade de meios de pagamento que foram surgindo, são grandes responsáveis pelas limitações que a bilhetagem eletrônica possui e a deformação dos benefícios propostos em seu conceito.

Bilhetagem digital, o novo paradigma

Hoje, a tecnologia de Account Based Ticketing  (ABT) começa a ser empregada no transporte público para solucionar os problemas relatados.

O termo ABT significa “Bilhetagem baseada em contas” e corresponde a uma transação sem bilhetes que permite viagens em transportes usando um token seguro, vinculado à uma conta no backoffice. O meio de acesso podem ser cartões inteligentes, smartphones, relógios, QRCodes e cartões bancários.  

Dessa forma, empresas de transporte não ficam “presas” a cartões inteligentes ultrapassados, além de poderem oferecer novos meios de pagamento à seus clientes.

A segurança se aplica a este novo cenário. Antes, os sistemas concentravam esforços e recursos para evitar que essa possibilidade acontecesse. Hoje, entende-se que que as fraudes vão acontecer e o papel da segurança é mitigar os riscos.

Através desta nova abordagem, o controle sobre os sistemas e suas falhas também se torna muito mais adaptativo e dinâmico. Aliado ainda à possibilidade de utilização de tecnologias de vanguarda como o Aprendizado de Máquina e a Inteligência Artificial.

Nos smartcards, por exemplo, toda informação fica gravada fisicamente no cartão (como ID, saldo e transações), e por isso todo o esforço gira em torno da criptografia desses cartões.

Com o advento da tecnologia ABT, a bilhetagem ganhou o reforço da tokenização. O token auxilia a diminuir os riscos por meio do acesso ao armazenamento de informação numa conta digital online.

Esse ganho em confiabilidade existe, pois um sistema ABT comporta muito mais checagens de segurança e mecanismos de diminuição de risco e detecção de fraude do que os sistemas legados atuais.

Um token representa apenas uma garantia de passagem limitada, em tempo e forma de utilização. Assim, caso fraudado, o prejuízo é baixíssimo e extremamente controlado ao sistema ou ao seu emissor.

Pensando além da segurança, a Bilhetagem Digital em ABT atende outros pontos das potencialidades que a bilhetagem eletrônica aplicada hoje não foi capaz de atender:

  • Relacionamento com o consumidor. Enquanto os cartões guardam dados básicos de uso e informações cadastrais, um Bilhete Digital pode ser veiculado por aplicativo ou redes sociais que, por sua vez, contém ferramentas de comunicação como notificações que permitem acesso direto ao cliente, implementação de estratégias de retenção e branding.
  • Extensão do esquema tarifário para outras plataformas. Dada a flexibilidade do Bilhete Digital, novos modais como bicicletas, táxis e carros compartilhados podem ser integrados ao esquema de divisão tarifária aplicada de forma automática e eficiente, sem as barreiras comuns de sistemas fechados e pouco flexíveis.

Por que mudar a tecnologia de bilhetagem embarcada em ônibus?

O modelo de negócio baseado em hardware e software proprietários – onde somente a fabricante tem acesso às suas configurações –  criou um alto grau de dependência dos sistemas em relação aos fornecedores.

Isso ocorre, pois mesmo com o equipamento sendo adquirido pelo sistema de transporte público, o desenvolvimento e a manutenção só podem ser feitos pelo seu responsável tecnológico, ou seja, o próprio fornecedor. Há relatos absurdos de práticas comerciais em que até os orçamentos são cobrados.

Para agravar toda esta situação, alguns sistemas cometeram o equívoco de assinar contratos de exclusividade no fornecimento em troca de uma economia marginal na aquisição dos equipamentos, que são caros.

O impacto de tudo isso no presente é a crise que os sistemas de transporte público têm vivido e a falta de alternativas para tirá-los desta situação. A solução deveria ser simples, apenas trocar de fornecedor e é aqui que está o problema.

Para trocar de fornecedor, quando não há contratos de exclusividade, o sistema precisa fazer um novo investimento para instalação dos novos equipamentos custosos.

Na maioria dos casos, os fornecedores da tecnologia embarcada também são donos dos padrões de comunicação dos smartcards (chamado de mapa no ramo) em posse dos usuários do sistema, o que implica em mais investimento com a troca de todos os cartões e toda a insatisfação dos clientes por ter novamente que se adequar ao novo sistema embarcado.

A Bilhetagem Digital da ONBOARD

Atualizações constantes, um ecossistema de desenvolvimento pungente e a independência do transporte público, isso é possível? Sim, com um validador que preze por estes aspectos acima dos interesses corporativos de seu fornecedor.

O DBD – Dispositivo de Bilhetagem Digital da ONBOARD trabalha com o conceito de ABT – Account Based Ticketing. Ou seja, transfere ao backoffice toda a operação e permite aos usuários o acesso do saldo por meio de qualquer aparelho, uma vez que o valor não está mais na mídia física (cartão), e sim em nuvem.

A Bilhetagem Digital da ONBOARD devolve autonomia aos operadores de transporte por utilizar sistema aberto para desenvolvimento. Além disso, pode ser usada em paralelo às bilhetagens atuais durante a transição, com o objetivo de minimizar os atritos da fase de troca.

Apesar de ser um sistema separado, a validação segue os mesmos princípios atuais, sendo feita de maneira offline através de um módulo SAM  (Secure Access Module).

A mudança de paradigma da bilhetagem digital não está só na segurança: a experiência do usuário é impulsionada pela bilhetagem digital.

Hoje, para usar o transporte público, o usuário se dirige até um posto, enfrenta uma fila, carrega o bilhete para então começar a usar. Com a Bilhetagem Digital, o cadastro é online e o usuário passa a ter acesso ao sistema imediatamente após o cadastro, que inclusive é feito com uma simples foto de documento. O software processa a imagem, recorta a foto e preenche o formulário cadastral automaticamente.

Segundo Luiz Renato M. Mattos, CEO da ONBOARD, o sistema desenvolvido pela empresa visa “facilitar o acesso ao transporte público por meio de uma experiência digital, concentrando e integrando todas as opções de mobilidade urbana na mão dos passageiros”.

Para ele, vivemos em um momento onde o transporte público foi deixado de lado, portanto, busca-se “devolver o protagonismo e a competitividade ao transporte público fazendo dele o elo de conexão da mobilidade urbana atual”.

Tudo isso vai ao encontro do desejo do novo consumidor que busca praticidade e serviços digitais. Outros mercados, como os bancos, já perceberam isso e, mesmo com sistemas antigos e também legados, entraram de cabeça no mundo digital.

O varejo é outro exemplo, utilizando de carteiras digitais como responsáveis pelos pagamentos de seus clientes. Com milhares de consumidores recorrentes todos os dias, o transporte público também pode gerar receitas acessórias com transações fora de seus sistemas. 

E tudo isso fica mais fácil com uma Bilhetagem Digital flexível e aberta. 

A Bilhetagem Digital vai ao encontro da solução para os problemas vividos pelo sistema de São Paulo.

A SPTrans, através do Decreto 58.639 de 22 de fevereiro de 2019, já previu o Bilhete Digital. Agora resta saber quem dará o passo inicial para de fato resolver esses problemas e explorar a bilhetagem digital como solução. 

Isso é obrigatório.
Isso é obrigatório.

Prefeitura adia para setembro prazo para troca de bilhetes anônimos e antigos

Bilhetes anônimos ou emitidos antes de 2014 serão cancelados se tiverem saldo superior a R$43 em 1º de outubro

A SMT – Secretaria Municipal de Transportes e a SPTrans, que regula os ônibus e o Bilhete Único na capital paulista, prorrogaram o prazo limite para a troca de cartões anônimos e/ou anteriores a 2014 para 30 de setembro. Antes usuários precisavam trocar seus cartões até 1º de junho para mantê-lo ativo com saldo superior a R$ 43. Bilhetes Únicos que possuem saldo superior a esse valor de 10 tarifas (R$ 43) terão seu cartão cancelado – após o decreto de hoje, apenas em 1º de outubro.

Relembre: Decreto cancela Bilhete Único Anônimo com saldo superior a R$ 43 em 90 dias. 

A SPTrans orienta que os cidadãos troquem o quanto antes seu bilhete antigo, como nos modelos abaixo, por um novo, para evitar a concentrações próximas a data. Usuários têm esperado até 4 horas em fila para conseguir um bilhete e isso pode aumentar próximo do prazo limite.

Modelos que precisam ser trocados.

Em nota a SMT afirma que “A decisão de ampliar o prazo foi tomada para beneficiar os passageiros que ainda não conseguiram reduzir o saldo para menos de R$ 43”.

Segundo a secretaria existem cerca de 50 mil cartões entre os que serão cancelados caso possuam mais de 10 tarifas em 1º de outubro.

Para fazer um novo cartão o usuário do transporte público de São Paulo deve entrar no site da SPTrans e fazer um cadastro com envio de foto 3×4. Essa foto deve ser de frente, em um fundo neutro e será estampada no cartão.

Após a aprovação, o cartão poderá ser retirado em um posto de atendimento indicado.

Confira a nota da Secretaria Municipal de Transportes na íntegra:

A Secretaria de Mobilidade e Transportes (SMT), por meio da São Paulo Transporte (SPTrans), informa que prorrogou até 30/09/2019 o prazo para o uso do saldo do tipo Comum superior a 10 tarifas, o equivalente a R$ 43, nos cartões do Bilhete Único emitidos antes de 2014.

A decisão de ampliar o prazo foi tomada para beneficiar os passageiros que ainda não conseguiram reduzir o saldo para menos de R$ 43 e é publicada na edição desta quinta-feira, 23/5, no Diário Oficial da Cidade.

Cerca de 50 mil cartões com códigos 52, 59 e 110 estão nessa condição.

Inicialmente, a Portaria 50 de 5 de abril de 2019 previa que as mudanças ocorreriam a partir do dia 1º de junho. Agora com a prorrogação, é possível utilizar os créditos excedentes por mais 4 meses, até 30/09/2019.

Atenção!

Quem precisa trocar o Bilhete Único?

Somente quem possui no mesmo cartão as seguintes situações:

– utiliza somente crédito Comum;

– não tem créditos vale-transporte;

– o cartão foi emitido antes de 2014 ou é anônimo; e

– não utilizará o excedente de crédito comum acima de R$ 43 até 30/09/2019.

A SPTrans orienta o usuário a consultar a situação do seu Bilhete Único através do link http://www.sptrans.com.br/consultabilhete, antes de se dirigir a um Posto de Atendimento.

Quer praticidade? 

A OnBoard está desenvolvendo a entrega do Bilhete Único em casa. Deixe seus dados abaixo para saber do lançamento em primeira mão. 

* obrigatório





Bilhete Único com nome social: passo a passo

Nome social no Bilhete Único ainda existe, mesmo após STF flexibilizar alterações em documentos oficiais. 

Pessoas transexuais e travestis possuem o direito de alterar a identificação do Bilhete Único para seu nome social com o estabelecimento do decreto nº. 51.180 de 14/01/2010.

Mas como fazer a mudança?

Os interessados devem ir até o Posto Central da SPTrans, na rua Boa Vista, 274 – Centro, com solicitação da inclusão do nome social por escrito e documento de identificação com foto.

O posto funciona de segunda a sexta, das 8h às 17h. O postulante deve ter mais de 18 anos ou estar acompanhado dos pais ou responsáveis.

O novo Bilhete Único virá com o nome social estampado.

Felipa Benício, estudante de jornalismo em uma faculdade privada de São Paulo, conta que há 2 anos começou a fazer a transição [de gênero] e que sempre foi muito difícil ouvir seu nome de batismo.

“Poder trocar meus documentos é um direito fundamental, o primeiro foi o Bilhete Único, justamente por me oferecer essa possibilidade de forma prática, antes da mudança [do STF]…”.

O que é nome social? 

Pessoas trans habitualmente trocam seus nomes de registro por aqueles que condigam com o gênero que vivem. Desde a resolução do STF de 2018, esse público pode mudar os documentos oficiais sem precisar fazer qualquer cirurgia.

O nome social, todavia, ainda é usado por quem não conseguiu ir à justiça fazer a alteração.

Bilhete Único em SP tem novas regras de uso

Vale-transporte tem menos viagens que outras modalidades do Bilhete Único.

Publicado no Diário Oficial da Cidade no último dia 23, a gestão de Bruno Covas na Prefeitura de São Paulo atualizou regras do Bilhete Único. A partir dos próximos 90 dias passam a valer novos períodos de tempo e número de viagens no Vale-Transporte.

A partir de agora, essa modalidade conta com dois embarques em até três horas. Hoje são quatro embarques em duas horas.

Outra alteração foi a validade dos créditos: de cinco para um ano após a compra.

Bilhete Único anônimo

O Bilhete Único anônimo já havia sido descontinuado no ano passado, a partir do decreto, porém, os cartões ainda ativos passam a ser gradativamente desativados. Os créditos poderão ser realocados em cartões cadastrados.

Publicidade e novos meios de transporte

Buscando receitas o Bilhete Único poderá conter propaganda em seus cartões, com custeio da empresa interessada em ter sua marca atrelada ao cartão. O pagamento de outros modais de transporte, como bicicletas, patinetes, táxis e carros compartilhados também é uma possibilidade com o novo decreto.

Esse pagamento poderá, inclusive, ser feito de forma digital. O decreto também prevê a possibilidade de emissão de bilhetes virtuais, visando diminuir custos de emissão de cartões. Segundo o texto essa substituição poderá ser feita “desde que observadas a viabilidade técnica, as medidas de segurança e a eficiência necessária”.

Por fim, o decreto reafirma resolução que já existia sobre o nome social de travestis, pessoas transexuais no Bilhete Único. Anteriormente uma resolução já previa o respeito à identidade de gênero em serviços públicos.

SPTrans anuncia revalidação do Bilhete Único escolar pela internet

A SPTrans divulgou que estudantes podem revalidar seu benefício pela internet usando aplicativos para celular. Alunas e alunos em São Paulo podem ter a meia tarifa no transporte público da cidade ou também o passe livre. Para saber qual modalidade se encaixa, estudantes deve entrar no site da instituição.

Para solicitar o benefício em 2019 solicite à instituição de ensino que envie seus dados à SPTrans. Acompanhe o status do pedido na área logada da SPTrans e, após aprovado, pague a taxa no valor de 7 tarifas, hoje R$30,10.

O site da SPTrans disponibilizará um boleto, mas em aplicativos como OnBoard, Banco do Brasil (correntista) e Ponto Certo estudantes podem pagar a taxa sem impressão de boletos.

Pelo Facebook também é possível revalidar o Bilhete Único Escolar na página “Bipay“, assistente virtual de mobilidade. Basta enviar ‘oi’ no chat e cadastrar o número do cartão escolar. Se o benefício já tiver sido aprovado pela SPTrans a opção aparecerá para pagamento.

Abaixo, um vídeo divulgado pela criadora do Bipay sobre o chatbot no Facebook (computador) e Messenger (celular).

No comunicado à imprensa, a SPTrans informa que as cotas de estudante já estão disponíveis para quem fez a revalidação.

SPTrans lança página para orientar estudantes sobre benefícios

Durante janeiro estão abertas as inscrições para os benefícios de estudante no transporte público de São Paulo. Todas as pessoas com vínculo em instituições de ensino, desde que nos cursos abrangidos pela regulação dos benefícios, têm direito à meia tarifa. Dependendo da renda, porém, estudantes podem ter o passe livre estudantil, gratuidade garantida por lei em 2015.

Para resolver dúvidas sobre quem tem direito à meia tarifa ou a gratuidade a SPTrans, órgão que regula o transporte público na cidade, criou uma página especial para esse momento de cadastro de benefícios.

Por lá estudantes respondem a questões que os levam ao benefício no qual tem direito. Nós testamos a ferramenta e ela é muito prática. Quem está com dúvidas apenas responde as características na qual se enquadra – renda, tipo de instituição de ensino, etc. – e recebe uma resposta com orientações para fazer seu bilhete único estudante.

Confira aqui a página especial da SPTrans para estudantes.

O que é a SPTrans? Tudo sobre o órgão que regula os ônibus, o Bilhete Único, o passe livre e mais!

A SPTrans é o canal oficial sobre os ônibus e o Bilhete Único em São Paulo

Já teve algum problema com seu Bilhete Único? Se a resposta for sim, para resolver você provavelmente entrou em contato com a São Paulo Transporte S.A, mais conhecida como SPTrans, pois é ela que cuida do sistema de bilhetagem da capital paulista.

A SPTrans é uma autarquia da Prefeitura e foi fundada em 1995 para fazer a gestão do sistema de ônibus público de São Paulo. Por gestão entende-se que ela fiscaliza, regula e abre editais para que concessionárias de ônibus, estas empresas privadas, atuem na cidade.

Hoje, além do Bilhete Único e da gestão dos ônibus, comanda também os terminais de ônibus, corredores, benefícios como estudante e idoso e é fundamental para que certas tecnologias cheguem ao usuário final, como o horário dos ônibus e itinerários.

Se alguma vez você usou um aplicativo para saber se seu ônibus estava para passar ou, ainda, recarregou seu Bilhete Único pela internet, a SPTrans foi grande responsável, pois garante que a informação gerada pelos ônibus e o sistema de bilhetagem esteja disponível para empresas de tecnologia, como a OnBoard Mobility, CittaMobi, entre outras.

O Bilhete Único

Criado em 2004, o cartão de transporte paulista foi inspiração para várias outras iniciativas no setor pelo país. Com o objetivo de facilitar, garantir governança sobre o sistema de transporte e aumentar a segurança, rapidamente o Bilhete Único se tornou parte fundamental do cotidiano dos paulistanos.  

Com a adesão do Metrô e da CPTM, modais operados pelo Estado de São Paulo, o Bilhete Único ficou ainda mais poderoso e atrativo, sendo obrigatório na carteira de todos que andam de transporte público.

Sempre inovando, a SPTrans busca aperfeiçoar o Bilhete Único, como exemplo o lançamento do Mensal e Diário, cargas que valem por períodos de tempo e são vantajosos para quem usa frequentemente o transporte público.

Recarga do Bilhete Único

Além das bilheterias do metrô, trem e terminais de ônibus, a SPTrans proporciona uma ampla rede de lojistas credenciados. Aplicativos também estão no meio, assim como chatbots, uma grande novidade em recargas.

A SPTrans foi a primeira do mundo a oferecer recarga do cartão de transporte pelo Facebook, outra inovação que dialoga com o público mais jovem e habituado com as redes sociais.

Serviço de Atendimento Especial – o Atende +

Um serviço social bastante relevante é o Atende +, que presta serviços a pessoas com deficiência severa e auxilia a mobilidade desses cidadãos. O Atende + vai até a casa de quem agendou previamente uma viagem e deixa no destino com a volta programada.

O horário de atuação é das 7h às 20h. Para solicitar uma van é necessário preencher uma Ficha de Avaliação Médica e, claro, cumprir certos requisitos.

Benefícios: Estudantes, Idosos e Pessoas com deficiência

São Paulo conta com um sistema de transporte que garante diversos benefícios para o exercício do direito de ir e vir.

Estudantes têm meia tarifa garantida e aqueles de baixa renda possuem o Passe Livre, permitindo viagens até à instituição de ensino de forma gratuita.

Idosos também possuem gratuidade, assim como pessoas com deficiência. O cadastro é feito presencialmente em um Posto de Venda e Atendimento da SPTrans.

Dica: Nesse link você fica sabendo dos documentos necessários para fazer seu Bilhete Único Especial – idoso ou pessoa com deficiência.

Estudantes podem conhecer mais sobre seu direito no nosso artigo “Quem tem direito e como pedir o Passe Livre na SPTrans”.

Postos de Venda e Atendimento e telefone da SPTrans

Para resolver problemas com o Bilhete Único e retirar quaisquer dúvidas sobre o sistema de transporte paulistano a empresas criou canais de atendimento.

O principal jeito de falar com a SPTrans é pelo telefone 156 onde você pode tirar dúvidas simples.

Quando o assunto é resolução de problemas com o Bilhete Único ou, até mesmo, a retirada do cartão, solicitação de segunda via, etc. o ideal é procurar um Posto de Venda e Atendimento.

Cartões solicitados pela internet podem ser retirados nestes locais, além de questões como Vale-Transporte, Passe Livre Estudantil, entre outros.

Quer ver qual é o melhor posto para você? Confira abaixo a relação de postos. Mas preste atenção: talvez o serviço que você precisa não esteja disponível no local de seu interesse.

Por fim, nessa página do site da SPTrans você confere os serviços disponíveis em cada posto e pode digitar seu endereço para encontrar mais facilmente o mais perto de você.

Endereços dos Postos de Atendimento da SPTrans

Loja Augusta

Endereço: R. AUGUSTA, 449

Horário de funcionamento: 08:00 – 16:30 ( Seg a Sex )

Posto Metrô Jabaquara

Endereço: AV. ENG. ARMANDO DE ARRUDA PEREIRA, 0

Horário de funcionamento: 07:00 – 17:00 ( Seg a Sex )

Posto Santana

Endereço: R. OLAVO EGÍDIO, 157

Horário de funcionamento: 07:00 – 17:00 ( Seg a Sex )

Term. A E Carvalho

Endereço: ESTR. DO IMPERADOR, 100

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Amaral Gurgel

Endereço: R. DR. FREDERICO STEIDEL, 107

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Ângela

Endereço: ESTR. DO M’BOI MIRIM, 4901

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Aricanduva

Endereço: AV. AIRTON PRETINI, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Bandeira

Endereço: PÇA. DA BANDEIRA, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Cachoeirinha

Endereço: AV. INAJAR DE SOUZA, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Campo Limpo

Endereço: R. CAMPINA GRANDE, 43

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Capelinha

Endereço: ESTR. DE ITAPECERICA, 3222

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Carrão

Endereço: AV. DEZENOVE DE JANEIRO, 884

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Casa Verde

Endereço: PÇA. DAS MONÇÕES, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Cidade Tiradentes

Endereço: R. SARA KUBITSCHECK, 165

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Grajaú

Endereço: R. GIOVANNI BONONCINI, 77

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Guarapiranga

Endereço: ESTR. DO M’BOI MIRIM, 152

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. João Dias

Endereço: AV. JOÃO DIAS, 3589

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Lapa

Endereço: PÇA. MIGUEL DELL´ERBA, 50

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Parelheiros

Endereço: ESTR. DA COLÔNIA, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Penha

Endereço: AV. GABRIELA MISTRAL, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Pinheiros

Endereço: R. GILBERTO SABINO, 133

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Pirituba

Endereço: AV. DR. FELIPE PINEL, 60

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Pq. Dom Pedro

Endereço: PQ. D. PEDRO II, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Princesa Isabel

Endereço: PÇA. PRINC. ISABEL, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Sacomã

Endereço: R. BOM PASTOR, 3000

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Santo Amaro

Endereço: AV. PE. JOSÉ MARIA, 400

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. São Miguel

Endereço: R. GUARACAPÁ, 350

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Sapopemba

Endereço: AV. ARQ. VILANOVA ARTIGAS, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Varginha

Endereço: AV. PAULO GUILGUER REIMBERG, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Veja como solicitar a revalidação do benefício de estudante e pagar a taxa pela internet

Veja como revalidar e pagar a taxa da sua Carteira de Identificação Estudantil da forma mais prática: 

Todos os anos, alunos da capital paulista precisam revalidar sua Carteira de Identificação Estudantil, nome do Bilhete Único para estudantes, com o objetivo de continuar usando o benefício, seja a meia tarifa ou a gratuidade completa.

Peça à sua instituição de ensino que envie os dados de matrícula para a SPTrans. Acompanhe o pedido no site de estudante da instituição.

Mas preste atenção: Quem tem direito ao Passe Livre e estuda no ensino superior da rede privada e pública, e profissionalizante da rede privada precisam confirmar o número NIS, aquele dado pelo CadÚnico a pessoas de baixa renda. Insira o número na sua página de estudante no site da SPTrans.

Para verificar se você tem um NIS válido acesse o Consulta Cidadão.

Caso não tenha, procure um CadÚnico.

Uma vez aceito, pague a taxa de revalidação no valor de 7 tarifas, hoje R$30,80 que será disponibilizada por boleto. Lembre-se, também, de conseguir um selo de validação do cartão em qualquer Posto de Venda e Atendimento da SPTrans.

O benefício para estudantes poderá ser usado a partir do dia 1º de fevereiro. Veja uma publicação ilustrativa da SPTrans abaixo:

Como emitir o boleto para pagar o Bilhete Único para Estudantes?

Você não precisa imprimir nada, é moleza fazer isso pela internet! Você pode pagar com Bipay, chatbot no Facebook. Usando o Messenger no celular ou o Facebook no computador pague a revalidação por meio da conversa usando o cartão de crédito.

> Inicie uma conversa com Bipay no Facebook ou Messenger (app de mensagens no celular);

> Se ainda não tiver um cadastro na plataforma, faça usando os mesmos dados do Facebook!

> Insira o número do seu Bilhete Único;

> O sistema identificará que se trata de um Bilhete de estudante, entre os produtos do chat escolha o pagamento da taxa de revalidação;

> Cadastre seu cartão de crédito e pague! Simples e sem burocracia (:

Bipay é uma solução de chatbot da startup de mobilidade OnBoard Mobility, que busca soluções para tornar o transporte público mais prático. O serviço é homologado pela SPTrans, portanto, oferece segurança à todos os clientes.

Falar com Bipay e pagar a taxa

Lembre-se: seu benefício poderá ser usado somente a partir de fevereiro! 

Como fazer o Bilhete Único Personalizado em São Paulo?

Veja um passo a passo de como fazer o Bilhete Único personalizado em São Paulo!

Ter o Bilhete Único é uma ótima vantagem para quem circula por São Paulo, obtendo benefícios como a integração e mais segurança e praticidade nas viagens. Mas na capital paulista existem diferenças entre os tipos de Bilhete Único e como obtê-los.

Bilhete Único Comum Turista (cadastro simplificado)

O Bilhete Único Comum com cadastro simplificado pode ser obtidos em Postos de Venda e Atendimento da SPTrans, mediante apresentação de documento com foto e CPF e o pagamento de R$4,40 pelo cartão, mais uma compra mínima de 5 créditos no valor de R$22,00, totalizando R$26,40. Estrangeiros devem apresentar o passaporte.

Atenção! Se você ainda tem o bilhete sem identificação, ou seja, que não está vinculado a um CPF, prepare-se para a descontinuação desse modelo, conforme decreto da prefeitura.

É importante dizer que o bilhete com cadastro simplificado não permite a compra de créditos no tipo Mensal e Diário, créditos Vale-Transporte e o benefício Bilhete Amigão, que estende o tempo da integração aos finais de semana.

Atenção! Durante pandemia de Covid-19, o Posto Central só está atendendo com agendamento prévio. Os serviços que necessitam do atendimento presencial estão disponíveis para agendamento no site de atendimento digital: sptrans.com.br/atendimento.

Bilhete Único Comum Personalizado e Identificado

Nessa modalidade o Bilhete Único possui algumas diferenças. Para solicitá-lo é necessário se cadastrar no site da SPTrans, enviar uma foto 3×4 e depois retirar o cartão em um dos Postos de Venda e Atendimento da SPTrans.

O Bilhete Único Comum Personalizado se diferencia do primeiro pelo cadastro digital e a não necessidade de pagar qualquer taxa pela aquisição do cartão. Dá para comprar o Mensal e o Diário, além de carregar com créditos do tipo Vale-Transporte. 

Faça o seu bilhete com cadastrado assim que puder, pois em breve os cartões anônimos serão descontinuados pela SPTrans.

Veja abaixo como fazer o Bilhete Único Personalizado pela internet:

Acesse a página de cadastro no site da SPTrans.

Ao entrar na página de cadastro pela primeira vez você deverá informar seus dados como na imagem abaixo:

Na próxima etapa você precisa do seu CEP e mais alguns dados. Deverá também informar um e-mail para comunicações e como forma de acesso ao portal da SPTrans. Com tudo completo, vá em ‘prosseguir’.
Insira seu e-mail e clique em ‘prosseguir’!

Escolha uma senha para sua conta na SPTrans e pronto! Conta feita.

 

Nesta etapa, será necessário entrar na sua conta com o login e senha feitos anteriormente.

Clique em enviar foto.
 
Nesse momento sua foto já está no site e você precisa editá-la. Arraste a caixa de seleção até que ocupe a foto inteira e vá em ‘Salvar Foto’.

Como editar a foto corretamente e enviar à SPTrans

O primeiro passo é tirar uma foto em um fundo neutro. Pode ser uma parede branca, por exemplo – e editar a foto no tamanho desejado: 3×4. Para isso, abra a foto em um editor.

Entre os editores mais comuns em computadores temos o Paint e o Microsoft Office Picture Manager.

Você também pode digitalizar uma foto 3×4 e salvá-la no seu computador.

Por fim, com tudo pronto e enviado, você deve esperar algumas horas. As fotos são avaliadas uma a uma e pode demorar um pouquinho.

Se aprovado, basta retirar seu Bilhete em qualquer Posto de Atendimento da SPTrans.

Continue digital

Hoje existem diversas opções de recarga online do Bilhete Único, que nos ajudam a evitar as filas constantes nos postos físicos de recarga.

Com seu bilhete cadastrado em mãos e um bom app de recarga você nunca mais ficará sem saldo!

Se ainda tiver dúvidas, acesse a página da SPTrans no Facebook no botão abaixo ou clicando neste link

Falar com SPTrans
Cresta Social Messenger

Tarifas do transporte público SPTrans atualizadas aqui.