Arquivo da tag: cidades

61 cidades brasileiras passam a ter horário do ônibus em tempo real no Google Maps; veja se a sua está na lista

Comemorando 15 anos de existência, o app Google Maps lançou uma série de novidades. Entre elas estão a atualização no design do aplicativo de mapas mais popular do ocidente e novas cidades brasileiras com horário do transporte público em tempo real.

Já faz um tempo que o Google Maps busca competir com apps do nicho da mobilidade, como Moovit e CittaMobi. Esse é o maior passo nesta direção.

Além dos dados oficiais de tempo, rota e lotação de vagões e ônibus, a nova versão também contará com contribuições dos usuários, que incluem temperatura das viagens, se há vagões exclusivo para mulheres e pessoas com deficiência e demais informações bastante específicas de cidade para cidade.

As 61 novas cidades brasileiras com cobertura do Google Maps são

  1. Recife e região metropolitana
  2. Guarulhos
  3. Osasco
  4. Diadema
  5. Mogi das Cruzes
  6. Cotia
  7. Mauá
  8. Barueri
  9. Caieiras
  10. Itaquaquecetuba
  11. São Caetano do Sul
  12. Franco da Rocha
  13. Itapevi
  14. Cajamar
  15. Jandira
  16. Guararema
  17. Salvador
  18. Maceió
  19. Aracaju
  20. Natal
  21. Parnamirim
  22. Mossoró
  23. Brasília
  24. Juiz de Fora
  25. Além Paraíba
  26. Sorocaba
  27. Salto
  28. Jundiaí
  29. Jarinu
  30. Itatiba
  31. Jaguariúna
  32. Águas de Lindóia
  33. Itapira
  34. São Carlos
  35. Ribeirão Preto
  36. Bebedouro
  37. São Sebastião
  38. Ilhabela
  39. Jacareí
  40. Taubaté
  41. Caruaru
  42. Juazeiro
  43. Petrolina
  44. São Gonçalo do Amarante
  45. Macapá
  46. Vitória da Conquista
  47. Simões Filho
  48. Camaçari
  49. Pinheiral
  50. Volta Redonda
  51. Resende
  52. Itaperuna
  53. Pelotas
  54. Rio Grande
  55. Colatina
  56. Linhares
  57. Santa Rita
  58. Nova Iguaçu
  59. São João da Barra
  60. Belford Roxo
  61. Niterói
Isso é obrigatório.
Isso é obrigatório.

Cartão de benefício Alelo pode pagar por viagens de patinete

Novidade estreou na última segunda, 3.

O cartão de benefícios da Alelo agora pode ser usado como meio de pagamento de viagens de patinete com a Grin, atuante em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba.

Para usar o novo meio basta baixar o aplicativo Grin e inserir o cartão Alelo na forma de pagamento. Não são cobradas taxas extras pelo serviço.

Geralmente usado para o pagamento de combustíveis, o Alelo Mobilidade têm se diversificado e pode ser usado para o pagamento de diferentes meios de transporte.

Pague a taxa de revalidação do Bilhete Único pelo Facebook

Estudantes que já solicitaram à instituição de ensino que envie os dados de matrícula para SPTrans e tiveram o pedido aprovado podem pagar a taxa de revalidação do Bilhete Único estudantil. A taxa é no valor de 7 tarifas vigentes, ou R$30,80.

O processo pode ser acompanhado no site da SPTrans. Por lá também é possível imprimir o boleto pagável em qualquer rede bancária. Para facilitar a liberação do benefício a SPTrans credenciou o chatbot Bipay no Facebook/Messenger para pagamento da taxa.

Por meio da rede social basta inserir o número do Bilhete Único de estudante que a taxa estará automaticamente disponível para pagamento, não havendo necessidade de inserir o número do boleto, muito menos enfrentar filas em lotéricas.

Cartão ÓTIMO aposta na inovação por chatbots

Atendimentos por Facebook do sistema de transporte público mineiro já chegam a 25% do total 

No Brasil, uma em cada cinco pessoas que anda de transporte público têm algum benefício, sejam idosos, estudantes ou pessoas com deficiência. A validação desses benefícios possui grande demanda, o que sobrecarrega o atendimento das empresas concessionárias. 

Diante desse desafio, o ÓTIMO, consórcio responsável pela bilhetagem eletrônica da Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi pioneiro no país na adoção de chatbots para relacionamento com o consumidor, como afirmam em apresentação no Seminário Nacional da NTU. 

Em março, a empresa lançou a tecnologia desenvolvida pela ONBOARD. Chatbots são robôs em chats – sejam em redes sociais como Facebook, aplicativos como WhatsApp ou nos próprios sites – e que usam Inteligência Artificial para prestar serviços e respostas. 

A primeira experiência no transporte público foi Bipay, também desenvolvido pela startup OnBoard Mobility, que faz a recarga do Bilhete Único em São Paulo. O chatbot do ÓTIMO, nomeada Sol, porém, ousou ainda mais e iniciou outros serviços. 

O primeiro deles foi o agendamento de atendimentos presenciais, como o cadastro de idosos e pessoas com deficiência para a gratuidade, como conta Juliana Mota, gestora de projetos do ÓTIMO. 

“O ÓTIMO recebe muita demanda de agendamento de senha e problemas no cadastro desses agendamentos. As linhas ficavam congestionadas e perdíamos algumas ligações”, relata Juliana. Até então os agendamentos eram feitos apenas por telefone.

“Chegou a nós o sistema de agendamento do chatbot da OnBoard. Já estávamos com o plano do aplicativo e nos perguntamos porque não aproveitar nossa API já criada para outros canais?”, relembra. 

Segundo o consórcio, em quatro meses de operação, cerca de 25% dos atendimentos já são realizados pelo Facebook Messenger, espaço escolhido para instalação inicial da Sol. 

Márcia Cristina, responsável pela gestão do SAC da empresa, relata que desde março foram mais de 4 mil agendamentos. Além dos cartões para idosos e pessoas com deficiência e recargas para cartão ÓTIMO Cidadão, a Sol também esclarece dúvidas frequentes relacionadas ao sistema metropolitano, “temos uma média de 300 interações por mês com humanos”, afirma a gestora. 

Quando não sabem responder, chatbots indicam uma pessoa para o atendimento. Com o tempo, as perguntas que não eram respondidas vão sendo aprendidas e respostas são criadas automaticamente devido ao uso de Inteligência Artificial. “A Sol está preparada para atender o público sênior e especial, fazer recargas e, com as várias interações, tem ficado cada vez mais apta a atender os clientes das outras categorias de cartão ÓTIMO e esclarecer dúvidas do sistema metropolitano como um todo”, finaliza Márcia. 

É o caso de Wesley Pereira, morador de Santa Luzia, região metropolitana de BH. Mesmo sem ser beneficiário de alguma gratuidade no transporte, usa o chatbot para saber seu saldo e comprar créditos “recomendo! Consigo realizar recargas na palma da mão e sem sair de casa”, afirma em rede social. 

Em entrevista ao Agora é Simples, Juliana Mota fala mais sobre a Sol, chatbot de serviços da mobilidade do consórcio ÓTIMO. 

Qual problema o chatbot Sol veio resolver? 

O ÓTIMO tem muita demanda de agendamento de senha e enfrentava problemas no cadastro desses agendamentos. Com isso, perdíamos algumas ligações [os agendamentos eram feitos por telefone] e as linhas ficavam sempre congestionadas, dado o alto volume de atendimentos. 

Chegou a nós o sistema de agendamento do chatbot da OnBoard. Já estávamos com o plano de aplicativo e nos perguntamos porque não aproveitar nossa API já criada para outros canais? Hoje estamos voando com os agendamentos, 25% dos nossos agendamentos são feitos através da Sol. A quantidade de recarga ainda está baixa, porque ainda não se focou na divulgação dessa funcionalidade através de campanhas de marketing. 

Como tem sido a recepção de clientes? 

Tem tido uma ótima aceitação. Nossa página está recebendo mais likes, seguidores e avaliações. Estamos ganhando visibilidade para o usuário. 

Juliana Mota. Foto: João Paulo Santos Machado

Qual é a expectativa atual a partir dos primeiros resultados? 

A partir de agora estamos trabalhando para deixá-la apta para atender assuntos que humanos fazem hoje. Ela já mostra, por exemplo, o saldo do cartão. Estamos trabalhando para implementar outros serviços de rotina. O objetivo é que o chatbot trabalhe para reduzir o volume de ligações, sempre de forma simpática, eficiente e humanizada na medida do possível. Temos bastante expectativa e migraremos também para o site do ÓTIMO online. 

Pretendem acrescentar mais serviços?

Além de mais respostas de atendimento, queremos fazer pesquisa de linha, itinerário e de quadros de horário. O usuário interessado em saber qual o itinerário da tal linha, terá a resposta pelo chatbot. 

Como é trabalhar com uma startup? 

A equipe da OnBoard é muito prática, precisa e prestativa. Muito aberta e sugerem coisas novas, muitas vezes as quais nem tínhamos pensado. Agregam muito a nossa atividade. 

Precisamos nos adaptar ao “mundo contemporâneo” e a OnBoard foi a primeira com quem tivemos uma abertura à inovação. Colhemos um resultado positivo e estamos mostrando para os nossos clientes e usuários do transporte que podemos ser melhor a cada dia.

Isso é obrigatório.
Isso é obrigatório.

Fortaleza registra casos de assédio sexual a cada 3 horas no transporte público

Tecnologia Nina, integrada ao aplicativo Meu Ônibus, registrou 930 casos em quatro meses de funcionamento

“Primeiro ele estava em pé e ficou roçando suas partes íntimas no meu braço, depois se sentou e passou a mão nas minhas pernas até que eu me levantei e chorei”.

O relato foi enviado por uma usuária de ônibus, em Fortaleza (CE), no dia 6 de março, através do botão NINA, uma tecnologia integrada ao aplicativo de transporte público da cidade. Essa foi a primeira de 930 denúncias recebidas durante quatro meses – o que dá uma média de um caso a cada três horas.

Prefeitura, empresários de ônibus, polícias e usuários, juntos podem combater o assédio sexual na mobilidade urbana. A primeira cidade a testar essa parceria foi Fortaleza, a 5º maior capital do país, que agora tem as informações iniciais para mapear zonas de risco, implantar estratégias de prevenção e punir agressores.

A capital cearense abraçou a tecnologia desenvolvida pela pernambucana Simony César. A NINA Mobile norteou a criação do Programa de Combate ao Assédio Sexual no Transporte Público de Fortaleza e se tornou referência no país.

Usuária do transporte público e filha de cobradora de ônibus, Simony cresceu ouvindo casos de violência nos ônibus. Ela queria algo que conseguisse dar segurança para as mulheres em seus deslocamentos diários, garantindo a elas o direito primordial de ir e vir. Surge, em 2016, a empresa NINA Mobile – nome em homenagem a cantora americana Nina Simone, famosa ativista pelos direitos dos negros e das mulheres, principais vítimas de violência no Brasil.

Simony César, fundadora e CEO da Nina Mobile. Foto: Daniel Hanter/WRI Brasil

Tecnologia

Mas Simony não pretendia ter mais um aplicativo de denúncias com bancos de dados isolados, sem retorno concreto para a sociedade. A NINA foi planejada para ser uma espécie de botão ou ícone inserido dentro de diversos aplicativos de transporte das cidades e vinculado aos órgãos que pudessem dar respostas efetivas.

As informações das denúncias feitas através da tecnologia NINA são reportadas para um painel de controles que pode ser acessado pela segurança pública, pela prefeitura e por empresários do transporte. A tecnologia tem potencial para unificar vários modais (ônibus, metrô, transporte por aplicativos, bicicletas) e migrar para políticas públicas.

Em Fortaleza, a NINA é conectada às câmeras de segurança dos ônibus e coleta imagens no intervalo de horário relatado pela denunciante. Com isso, de maneira imediata, são produzidas provas e também feito o acolhimento da vítima.

Depois, o caso precisa ser encaminhado à polícia para as devidas providências. Entre as ocorrências de assédio comunicadas através do projeto NINA na capital cearense (no período de março a junho), 77 foram concluídas com todos os dados necessários para virar inquérito policial. Cerca de metade dessas pessoas eram vítimas e, a outra metade, testemunhas.

Inédito

Fora a medida policial, o tipo de dado gerado pela NINA Mobile é inédito no Brasil, pois consegue acessar casos reais de crimes sexuais ocorridos no sistema de transporte público, bem como entender a hora em que ocorrem, os locais, as características, o perfil das vítimas, entre outras informações. Conforme o primeiro balanço divulgado, 58% das denúncias foram de crimes ocorridos dentro dos ônibus, as demais, nas paradas e nos terminais. Todos as vítimas eram mulheres.

A maioria das situações relatadas são de assediadores que estavam se tocando ou encostando na vítima de maneira inapropriada. Outra informação importante é o horário de pico das ocorrências que é às 20h, maior que às 18h e reduzindo bem após às 22h.

Impacto

NINA é uma forma de a vítima ter uma medida silenciosa de alcance fácil e imediato para reagir e não se culpar pelo crime. Ela clica no ícone NINA “Denunciar Assédio” e comunica o que aconteceu em detalhes. Isso evita que mulheres desistam de se deslocar até um posto policial, logo após o ocorrido, para fazer a denúncia. Ir à delegacia torna-se o segundo passo.

O dispositivo também incentiva que todos se protejam, estendendo a posssibilidade de denunciar aos que presenciam esse tipo de violência, para que ela não ocorra mais. “Estava acompanhando uma mulher que estava próxima a porta de desembarque (porta dianteira) e um homem colocou a mão sobre as suas partes íntimas, ela desceu chorando e constrangida”, descreveu a denunciante o fato ocorrido dia 14 de junho às 7h50.

Para Simony, é sempre emocionante ouvir as vítimas que utilizam a NINA. “Uma delas disse que não tinha ninguém para ajudá-la quando estava no ônibus sofrendo assédio, mas não se sentiu sozinha porque Nina estava com ela”. A meta de longo prazo é que um dia a NINA não tenha mais razão de existir.

Com informações da Assessoria de Imprensa.

Renove seu Bilhete Único Estudante antes da volta às aulas

Pague a taxa por boleto, aplicativos ou Facebook! 

Com o objetivo de facilitar o processo de renovação do Bilhete Único Estudante, a SPTrans disponibiliza a revalidação do cartão pelos canais de atendimento on-line. Primeiro o aluno deve verificar se a instituição de ensino já encaminhou sua matrícula para SPTrans, podendo consultar sua situação por meio do site de estudantes.

Logo após a confirmação dos dados da matrícula, o boleto é gerado diretamente no site e o pagamento pode ser feito na rede bancária e lotéricas. Além disso, não é necessário imprimir o boleto, basta o número do código de barras para fazer o pagamento. O estudante pode também optar por receber o código de barras por mensagem SMS em seu celular.

Foto: Sidnei Santos

O valor da taxa de revalidação é equivalente a sete tarifas básicas vigentes, ou seja R$ 30,10. O pagamento da taxa de revalidação também pode ser realizado diretamente pelos aplicativos OnBoard para iOS e Android, Banco do Brasil (para correntistas) e outros na página de aplicativos autorizados.

A quitação da taxa de revalidação também pode ser feita através da página “Bipay” do Facebook, diretamente pelo Messenger, sem a necessidade de baixar o app. A página possui um chatbot que revalida com pagamento por cartão de crédito. 

Estudantes que já pagaram o valor da renovação do Bilhete Único em 2019 não precisam pagar novamente. Basta apenas a instituição de ensino confirmar a rematrícula do segundo semestre.

Os alunos podem consultar se têm direito à gratuidade ou ao desconto de meia-tarifa pelo site de estudantes da SPTrans.

O estudante pode verificar a situação de seu cadastro junto à SPTrans pela internet, por meio do link.

Via Assessoria de Imprensa da SPTrans.

Startup lança carros elétricos compartilhados em SP

Sistema funciona via aplicativo

Com investimento anunciado de R$3 milhões a Beepbeep estreia em São Paulo seu serviço de carros elétricos compartilhados. O modelo de negócios é próximo do que vimos recentemente com bicicletas e patinetes: tudo feito por aplicativo e com cobrança por minutos de uso. 

O primeiro ponto de carros disponíveis ficará no Shopping Market Place, na zona sul de São Paulo. São 10 veículos da Renault, com o objetivo de chegar a 60 pontos com a 300 carros até o final de 2020.

O preço do aluguel será de R$4,90 para desbloqueio mais R$0,60 centavos por minuto. Não é a primeira vez que um serviço do tipo é anunciado na capital paulista, mas a startup Beepbeep é a primeira a por na rua carros elétricos. Outras concorrentes, porém, já existem quando não contamos carros elétricos, como a Zaz Car. 

O vídeo conceito está disponível no site da empresa.

Cartão BHBus lança recarga pelo Facebook

Iniciativa vai ao encontro da expansão da rede de recarga do BHBus na cidade

Neste ano o Transfácil, consórcio que opera o transporte público de Belo Horizonte, está empenhado em aumentar a rede de recargas de seu cartão BHBus, que dá acesso aos ônibus, BRT e trem da capital. Após lei sancionada na Câmara dos Vereadores, bancas de jornal passaram a ser uma possibilidade a mais de recarga, além dos terminais e próprios ônibus (estes últimos, parcialmente e durante a semana).

Outra novidade, porém, vem do mundo digital e das redes sociais: é a recarga online do BHBus pelo Facebook no computador e aplicativo Messenger no celular.

A iniciativa foi desenvolvida em parceria com a startup OnBoard Mobility, acelerada na 5ª edição do programa mineiro de apoio à inovação, o SEED. 

A solução permite a compra de créditos via chat no Facebook, numa tecnologia conhecida como chatbots. No chat da página BHBus no Facebook usuários poderão fazer recargas online do cartão trocando mensagens. 

Grandes marcas como Magazine Luiza, Netflix e Fanta já usam chatbots em redes sociais para vender produtos, oferecer promoções ou campanhas de engajamento. O transporte público se beneficia, então, com uma tecnologia nova e prática.

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, representada pelo cartão ÓTIMO, já é possível fazer recargas e também agendamentos de atendimentos pelo Facebook. O BHBus utiliza a mesma tecnologia de chatbots.

Para usar o chatbot usuários devem iniciar uma conversa no chat da página, fazer seu cadastro usando os dados do Facebook, inserir CPF e escolher o valor da recarga. As formas de pagamento são cartão de crédito e transferência bancária. Os dados são protegidos e não ficam salvos na conversa para garantir a segurança. A qualquer momento um atendente humano pode ser solicitado. 

Hoje o cartão pode ser carregado em terminais de ônibus, metrô e BRT, pontos físicos, por aplicativo e dentro dos ônibus durante a semana. A recarga no Facebook, por sua vez, evita as filas em bilheterias físicas e o download de novos aplicativos que são responsáveis por tomar espaço de memória nos celulares e muitas vezes desinstalados por esse motivo. 

Facilita sua vida poder fazer recarga do BHBus sem sair de casa? Deixe nos comentários sua opinião sobre o tema!

 

Isso é obrigatório.
Isso é obrigatório.

Confira as cotas de passes para estudantes em julho

Estudantes da capital paulista possuem direito ao Passe Livre ou à meia-tarifa no transporte público, de acordo com o perfil socioeconômico e tipo de instituição de ensino. O benefício, porém, é diminuido durante o perído de férias em dezembro e julho. Em janeiro não são disponibilizadas.

A tabela abaixo foi dividida de acordo com o número de cotas que o estudante possui, o que vai impactar diretamente na cota das férias. Para estudantes que têm o máximo de cotas possível do benefício, 48, em julho poderão ser usadas 24. A faixa de cotas menor, 10 ao mês, terá 4 durante as férias. Confira as cotas para estudantes em julho:

Cotas Fevereiro a junho

Julho

Agosto a Novembro

Dezembro

48

48

24

48

24

38

38

18

38

20

28

28

14

28

14

18

18

8

18

10

10

10

4

10

6

Cada cota dá direito a duas viagens de até duas horas com quatro embarques cada.

Para estudantes que possuem o direito à gratuidade total, a distribuição de cotas se dá da seguinte forma:

Cotas Fevereiro a junho

Julho

Agosto a Novembro

Dezembro

24

24

12

24

12

19

19

09

19

10

14

14

07

14

07

09

09

04

09

05

05

05

02

05

03

Cursos semestrais ou encerrados no primeiro semestre não dão direito à cota em julho. Consulte a sua situação cadastral no site da SPTrans.

Para renovação do benefício, quando for o caso, por exemplo em cursos semestrais que irão continuar depois de julho, renove o benefício na página de estudante da SPTrans. Não há custo na renovação.

No manual do aluno há mais informações. Caso precise de mais passes, compre digitalmente e economize tempo, neste post damos dicas de recargas online do Bilhete Único sem taxas.

Reconhecimento facial e LGBT+, os desafios de uma tecnologia de massa

Casos de drag queens, transgêneros e pessoas não-binárias bloqueadas pelo reconhecimento facial no transporte público acendem um alerta sobre algoritmos e treinamento de funcionários

Há algumas semanas a SPTrans divulgou que em dois anos mais de 311 mil bilhetes únicos foram bloqueados por uso irregular, principalmente de benefícios como estudante e idoso. Os bloqueios acontecem a partir do reconhecimento facial dos portadores do cartão no momento de passar na catraca. Segundo a própria SPTrans, todos os ônibus estão equipados com câmeras. 

A despeito do objetivo de diminuir fraudes que retiram dinheiro dos cofres das empresas de transporte, o sistema hoje permite até que o Bilhete Único não seja mais produzido com a foto do usuário, já que esse método de identificação ficou ultrapassado. 

Mas no mês do orgulho LGBT+ precisamos dar luz à como uma tecnologia massiva não dá conta de identidades diversas. Fontes ouvidas pelo Agora é Simples relataram o enfoque negativo que essa tecnologia oferece a pessoas LGBT+.

Joana, ex-funcionária da RioCard, companhia que regula o cartão de transporte do Rio de Janeiro, reconhece que o sistema na capital carioca é falho e que por diversas vezes pessoas trans e travestis tiveram seus cartões bloqueados por não serem reconhecidas pelo sistema nem pelos operadores. 

Uma vez implementado o sistema de reconhecimento facial nos ônibus a rede de operadores humanos não é desativada, como a tecnologia não é precisa as pessoas entram para dar a última palavra no bloqueio ou não. Nesse momento, tampouco pessoas trans são legitimadas. 

O caso abaixo mostra uma pessoa montada como drag queen e que teve seu cartão bloqueado em São Paulo. 

Apesar do bom tom da postagem, casos como esse não deveriam acontecer, considerando que as imagens são vistas por humanos após a detecção do algoritmo.

Especialistas comentam os limites do reconhecimento facial

Sidélia Silva, mestra em Política Pública e Desenvolvimento pelo Departamento de Ciência Política da Unicamp foi ouvida pelo Agora é Simples e afirma ser necessária uma auditoria dos algoritmos, além da ampliação da diversidade nos espaços de produção tecnológica e, mais especificamente, onde são verificados caso a caso os bloqueios a partir da biometria facial. 

“A tecnologia é um meio, onde na entrada tem um humano e na saída um humano, não é um fim em si mesma. Há quem defenda a auditoria de algoritmos, pois as pessoas criam algoritmos para corresponder sua expectativa em relação a algo. A auditoria de algoritmo vai auditar quem está criando”. 

Segundo a pesquisadora, em uma sociedade marcadamente preconceituosa, os algoritmos tendem a reproduzir essas características “estamos em estruturas racistas e transfóbicas, e essas pessoas não estão nesse mercado, não produzem essa tecnologia, pois esses espaços significam também poder e essas pessoas são marginalizadas, isso acarreta prejuízos às empresas pois não conseguem lidar com a diversidade”

Os Keys, pesquisador do Departamento de Design e Engenharia Centralizada Humana da Universidade de Washington, publicou o artigo “The Misgendering Machines: Trans/HCI Implications of Automatic Gender Recognition” (sem tradução exata para o português) onde aborda os últimos 30 anos de pesquisa sobre reconhecimento facial. 

Keys aponta que tais estudos desconsideram pessoas trans e não binárias, ou seja, que não se conformam com os signos ditos femininos e masculinos e transgridem a norma. 

Em entrevista à Vice americana Keys diz que “quando construímos um conjunto particular de valores, em novos espaços e novos sistemas, não apenas tornamos os espaços e sistemas exclusivos e tornamos mais difícil ter um mundo mais inclusivo no geral, estamos também nos comunicando com pessoas que tentem entrar – ‘é assim que funciona o gênero, essas são as categorias nas quais você pode viver, é assim que o seu gênero é determinado”, explica o pesquisador. ‘Qualquer conflito ou dissonância que você tenha com isso é problema seu porque esta é uma tecnologia imparcial’”. 

De acordo com essas perspectivas, estamos automatizando os preconceitos que a sociedade têm. 

O outro lado

Sobre o assunto, a SPTrans foi procurada e em nota afirma: 

O algoritmo de reconhecimento facial utiliza a distância entre partes da face como parâmetro de reconhecimento, sendo assim, consegue distinguir pessoas com maquiagem e peruca, por exemplo. Vale ressaltar que o software não cancela os cartões automaticamente. Após a análise sistêmica, técnicos da SPTrans comparam a foto do cadastro da pessoa com a foto captada pela câmera do validador do ônibus para examinar a semelhança entre as imagens.

Os técnicos se deparam diariamente com casos em que há diferenças nas fotos, tais como corte de cabelo, barba, bigode, óculos, envelhecimento, maquiagem, entre outros; nessas situações, buscam eliminar todas as alternativas que possam gerar a diferenciação da foto do validador com a do cadastro para evitar bloqueios indevidos.

Desde 2010 o usuário do Bilhete Único personalizado pode solicitar que o seu cartão seja emitido com o nome social, para isto basta escolher esta opção quando realizar o cadastro. O nome social também é analisado pelos técnicos e pode ajudar na identificação do usuário do cartão.

Ainda assim, quando a pessoa tem o Bilhete Único bloqueado pode apresentar justificativa à SPTrans e reaver o benefício, desde que comprove o uso regular do cartão.

Essa matéria faz parte da série especial do Agora é Simples para o mês do orgulho LGBT+. Leia a primeira publicação: Mobilidade LGBT+: o transporte público como espaço seguro para todes. 

Mobilidade LGBT+: o transporte público como espaço seguro para todes

A nossa mobilidade LGBT+ é uma luta diária e um desafio para a gestão pública

O conceito do brasileiro cordial é cada vez mais desnudado em nosso país com a polarização que tomou corações de todo o espectro social e político e deu abertura para discursos e atitudes de ódio.

Com a queda de certas máscaras conseguimos olhar com clareza para os dados sobre a violência no Brasil e podemos perceber os números alarmantes e semelhantes a Estados em guerra que temos.

Junho, mês do orgulho lésbico, gay, bissexual e transgênero, desde a revolta de Stonewall, é uma oportunidade de levantar o debate sobre o espaço do transporte público e da mobilidade urbana para esse grupo extremamente marginalizado neste canal dedicado à inovação na mobilidade que é o Agora é Simples.

Dados do Grupo Gay da Bahia apontam que a cada 19 horas um LGBT+ é morto ou tira a própria vida em decorrência da opressão. Mulheres trans e travestis têm apenas 35 anos de expectativa de vida e esse grupo, em especial, está 90% na prostituição, dada as poucas oportunidades que possuem no mercado formal.

Com essas informações fica difícil negar que temos um problema de sexualidade e gênero no Brasil*, sociedade esta que deveria ter como pilar o respeito à dignidade humana e à diferença. Porém, o que vemos são violências corriqueiras em olhares, xingamentos e agressões.

*Se usa as expressões homofobia para ódio direcionado a sexualidades diversas, como gays e lésbicas, e transfobia para o ódio, a aversão e a rejeição de pessoas não cisgênero, ou seja, transexuais. 

O transporte público, tema fundamental desta publicação, é um espaço primordial da vida em cidade e precisa urgentemente acolher as necessidades desse público, entendendo as questões da mobilidade LGBT+.

Entre as ações que estão sendo tomadas e podem vir a ser, estão:

Campanhas educativas e de promoção do respeito

Recentemente uma lei tornou crime a importunação sexual e o transporte público de todo o país adotou campanhas de conscientização. A lei foi inspirada nos casos que repercutiram nos últimos anos de mulheres sendo abusadas e assediadas no transporte público, mesmo sob a luz do dia.

É claro que mulheres já são alvo de violência há muito tempo e precisou de uma mobilização nacional e de uma lei para que houvesse um olhar e um direcionamento comunicacional para esse problema.

Em Belo Horizonte, a Prefeitura Municial, a Guarda Municipal e a BHTrans distribuíram apitos em ações em pontos diversos para estimular a conscientização e a denúncia em casos de assédio. Cartilhas educativas também foram entregues na campanha.

Com a violência homofóbica e transfóbica poder-se aprender que os cidadãos que usam e precisam do transporte público precisam ser ouvidos sobre suas carências, antes que casos absurdos de violência precisem ser o estopim de um projeto de lei formal.

Equipe de segurança preparada

Não é incomum pessoas LGBT+ serem constrangidas em ambientes públicos. Mulheres trans e travestis, por exemplo, são constantemente impedidas de usar banheiros femininos. Igualmente, um ataque homofóbico não pode ser entendido como uma mera briga dentro de um vagão.

Uma pessoa LGBT+ ameaçada pode ser perseguida do lado de fora, sendo que tudo começou lá dentro. A equipe de segurança de metrô, trem e terminais devem estar preparadas para atender casos assim.

Iniciativas pioneiras para a mobilidade LGBT+

Cidadania

Como espaço onde frequenta uma multiplicidade de pessoas, dos mais diferentes lugares e classes sociais, o transporte público é o ambiente ideal para ações pedagógicas e sociais.

A Unidade Móvel da Cidadania LGBT+ da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo faz uma tour desde 2015 por terminais de ônibus da capital. Presta assessoria jurídica, psicológica, pedagógica e de assistência social.

Dados e análise

A 2ª Pesquisa da Diversidade realizada pela Rede Nossa São Paulo em parceria com o Ibope mostrou que 37% dos entrevistados já presenciaram ou foram vítimas diretas de preconceito de gênero ou orientação sexual em espaços públicos e no transporte público. São os lugares mais hostis a pessoas LGBT+ registrados na pesquisa. Escolas o são para 32% das pessoas e 31% em shoppings e comércios. 

A pesquisa da Rede Nossa São Paulo jogou luz ao problema e foi importante, inclusive, para a motivação deste texto. Isso porque estudos e dados consolidados ajudam a orientação de políticas públicas.

Outros exemplos são o já citado Grupo Gay da Bahia e o grupo Gênero e Número. Este último, em parceria com a Fundação Ford, publicou um estudo comprovando a escalada de violência contra LGBT+ nos últimos tempos. 

Inovação e desenvolvimento

Um aplicativo de carros compartilhados só para LGBTs? Em Belo Horizonte isso é possível. O Homodriver foi pensado justamente para a segurança de passageiros e motoristas.  Ele parte da popularização de Uber e similares que tornou a categoria um meio de transporte essencial na vida de muita gente.

Para a segurança e a geração de dados sobre assédio foi criada a tecnologia Nina. O projeto também vai ao encontro do que LGBTs precisam no transporte público. Afinal, assédio também é um tipo de violência e essas causas não deixam de estar juntas.

A Nina rastreia casos de assédio, a partir de denúncia do usuário e auxilia na  ativação de alertas que garantem o salvamento do conteúdo das câmaras para a investigação policial posterior.

Esse é o primeiro texto de uma série especial do Agora é Simples para o mês do orgulho. Acompanhe o blog para mais artigos sobre a mobilidade LGBT+ e os desafios da inclusão.

Bilhete Único com foto não é mais produzido

Bilhete Único dito personalizado conta apenas com conexão ao CPF, foto é necessária apenas para cadastro

O Bilhete Único de São Paulo emitido hoje é atrelado a um CPF com limite de um cartão por pessoa. Esse cartão, solicitado no site da SPTrans, é chamado de Personalizado, pois tem a identificação do portador e permite, por exemplo, a recuperação de créditos em caso de perda ou furto.

Até pouco tempo o Bilhete Único identificado também era chamado de Personalizado por conter a foto do usuário, enviada via site. A foto servia como comprovação para evitar fraudes, principalmente em cartões benefício de estudantes e idosos.

Desde março, porém, os novos bilhetes únicos não possuem mais foto. O controle de fraudes é feito pelo sistema de Reconhecimento Facial amplamente usado nos ônibus da capital. O poder público afirma que a mudança torna a emissão mais rápida e eficiente.

Segundo o jornal Agora 409 mil modelos como esse já circulam por São Paulo

Portanto, se fizer seu Bilhete Único Personalizado, obrigatório para quem tem ainda o Bilhete Único Anônimo ou bilhetes emitidos antes de 2014, não se espante se ele vier sem a foto que você tirou e colocou no cadastro online da SPTrans.

Os cartões da era Bruno Covas (PSDB) agora são assim. O que achou do novo modelo? Deixe seus comentários. 

Se ainda tiver dúvidas, acesse a página da SPTrans no Facebook no botão abaixo ou clicando neste link

Falar com SPTrans
Cresta Social Messenger

Conheça a Sol, robô assistente do cartão ÓTIMO de transporte

A Sol é o chatbot no Facebook/Messenger do transporte público da RMBH

O cartão ÓTIMO da Região Metropolitana de Belo Horizonte lançou oficialmente seu chatbot na página do ÓTIMO no Facebook. Pelo chat da página a robô nomeada Sol ajudará no agendamento de atendimentos para o cartão sênior, além de recargas do cartão.

Envie mensagens, não em publicações ou imagens!

O serviço deve ser acessado na página do cartão ÓTIMO no Facebook (clique aqui), vá em enviar mensagem e diga “oi”. A partir daí, é só seguir o passo a passo. Lembre-se que a Sol é uma robô, portanto, diga apenas palavra-chave básica, escolha sempre as opções que ela dá e não complique muito!

O serviço visa facilitar o acesso ao cartão sênior, que hoje precisa ser solicitado em postos físicos e que sem o agendamento prévio mantém um atendimento lento e superlotado.

O que são chatbots?

São robôs em aplicativos de mensagem, como WhatsApp e o Messenger do Facebook. Esses robôs funcionam a partir de respostas prontas e com o uso de Inteligência Artifical aprendem com as interações para apresentarem com o tempo soluções cada vez mais complexas.

Em São Paulo já existe o chatbot Bipay para o Bilhete Único, que além da recarga faz o pagamento da taxa de revalidação estudantil. Bipay e Sol são criações da startup OnBoard Mobility, especializada em soluções para a bilhetagem do transporte público.

Isso é obrigatório.
Isso é obrigatório.

Valores das passagens de ônibus, metrô e trem 2019 em SP

Aprenda os valores das passagens 2019 e como usar a integração em cada modelo!

Após alguns anos sem reajustes o transporte público paulistano começou 2019 com uma série de novos preços. As mudanças vão do bilhete comum e se estendem para versões temporais e bilhetes especiais, como o vale-transporte.

Entenda abaixo os valores das passagens de transporte público 2019 em SP e os principais pontos para utilização da integração.

TIPO DE CRÉDITO VALOR 2019
Dinheiro/Crédito Eletrônico Comum R$ 4,30
Crédito Eletrônico Vale-Transporte Ônibus R$ 4,57
Crédito Eletrônico Vale-Transporte Metrô/CPTM R$ 4,30
Crédito Eletrônico Estudante R$ 2,15
Integração Ônibus + Metrô/CPTM Estudante R$ 4,30
Integração Ônibus + Metrô/CPTM Comum R$ 7,48
Integração Ônibus + Metrô/CPTM Vale-Transporte R$ 7,95
Integração Ônibus + Metrô/CPTM Madrugador Comum R$ 6,71
Integração Ônibus + Metrô/CPTM Madrugador Vale-Transporte R$ 7,18

Como é possível notar, existem valores diferentes nas modalidades Comum, Estudante e Vale-Transporte, com o último sendo o mais caro entre as opções.

Quantas integrações é possível fazer com o Bilhete Único e o tempo de integração? 

A tarifa comum de R$ 4,30 permite quatro embarques em ônibus diferentes em até três horas. Já a tarifa integrada comum permite três embarques em ônibus em três horas, mais um embarque no sistema trilhos (metrô e trem) nas duas primeiras horas de utilização.

A tarifa Vale-Transporte, por sua vez, permite dois embarques no valor de R$ 4,57 em até três horas. A tarifa Vale-Transporte integrada de R$ 7,95 garante um embarque em ônibus e em um nos trilhos, este último nas duas primeiras horas de uso.

Por fim, a tarifa de estudantes garante o embarque em três ônibus em até duas horas, uma hora a menos do que a tarifa comum. Com a integração, estudantes podem usar uma vez para embarque nos trilhos nas duas primeiras horas.

Acesse nosso artigo completo para saber mais sobre a integração e tarifas especiais do transporte público de SP, como o Bilhete Amigão e a Tarifa do Madrugador.

Tecnologia inédita estreia no metrô do Rio

Pagamentos por aproximação com NFC são aposta inovadora da capital fluminense. 

O Rio de Janeiro é palco do primeiro experimento com pagamento por aproximação no Brasil (contacless). Os 900 mil passageiros diários podem agora optar por pagar suas viagens no metrô usando cartões de crédito, celulares e relógios com a tecnologia.

De início, apenas cartões Visa emitidos pelo Banco do Brasil e Bradesco são permitidos. Os cartões com a tecnologia contacless vêm com o símbolo abaixo.

O pagamento dessa maneira não depende de saldo, como o Bilhete Único. O usuário tem descontado o valor da tarifa diretamente na fatura do seu cartão de crédito.

Em alguns países nórdicos a tecnologia por aproximação já é popular, como em Londres, onde 90% dos ônibus aceitam esse tipo de pagamento.

Novas regras Bilhete Único Especial para pessoas com deficiência

O que muda no Bilhete Único Especial para pessoas com deficiência a partir de 1º de junho.

Alguns leitores relataram dúvidas em nossos canais sobre mudanças no bilhete especial após uma série de alterações no último decreto relacionado ao cartão de transporte pela Prefeitura de São Paulo.

Solicitamos à SPTrans que respondesse alguns questionamentos da nossa redação. O Bilhete Único Especial para pessoas com deficiência é um benefício regulamentado pela SPTrans.

Sobre alterações pela portaria SMT GAB nº 050 a SPTrans informa que foi retirada a segunda solicitação de revisão de indeferimento, o recurso administrativo. Segundo a nota, foi constatado que menos de 1% das solicitações de recurso alteraram o resultado anterior.

Outras alterações englobam todo o sistema do Bilhete Único, como as punições mais severas em casos de fraude, que vão de advertências a suspensão do cartão por seis meses, um ano, dois anos e cancelamento definitivo.

No caso do bilhete único especial para pessoas com deficiência “se constatadas irregularidades no formulário de solicitação, o mesmo é encaminhado para o setor jurídico da SPTrans para as devidas providências. Se o Bilhete for usado de forma irregular o benefício também é suspenso”, diz a SPTrans em nota.

Veja no artigo como solicitar o Bilhete Único Especial. Adicionamos algumas informações a esse artigo com a última nota da SPTrans à redação do Agora é Simples

Se ainda tiver dúvidas, acesse a página da SPTrans no Facebook no botão abaixo ou clicando neste link

Falar com SPTrans
Cresta Social Messenger

Bilhete Único com nome social: passo a passo

Nome social no Bilhete Único ainda existe, mesmo após STF flexibilizar alterações em documentos oficiais. 

Pessoas transexuais e travestis possuem o direito de alterar a identificação do Bilhete Único para seu nome social com o estabelecimento do decreto nº. 51.180 de 14/01/2010.

Mas como fazer a mudança?

Os interessados devem ir até o Posto Central da SPTrans, na rua Boa Vista, 274 – Centro, com solicitação da inclusão do nome social por escrito e documento de identificação com foto.

O posto funciona de segunda a sexta, das 8h às 17h. O postulante deve ter mais de 18 anos ou estar acompanhado dos pais ou responsáveis.

O novo Bilhete Único virá com o nome social estampado.

Felipa Benício, estudante de jornalismo em uma faculdade privada de São Paulo, conta que há 2 anos começou a fazer a transição [de gênero] e que sempre foi muito difícil ouvir seu nome de batismo.

“Poder trocar meus documentos é um direito fundamental, o primeiro foi o Bilhete Único, justamente por me oferecer essa possibilidade de forma prática, antes da mudança [do STF]…”.

O que é nome social? 

Pessoas trans habitualmente trocam seus nomes de registro por aqueles que condigam com o gênero que vivem. Desde a resolução do STF de 2018, esse público pode mudar os documentos oficiais sem precisar fazer qualquer cirurgia.

O nome social, todavia, ainda é usado por quem não conseguiu ir à justiça fazer a alteração.

Onde comprar o Bilhete Único em São Paulo

Após anúncio do fim dos bilhetes anônimos pessoas correm aos postos para adquirir novo bilhete

Se você chegou agora em São Paulo ou precisa fazer um novo Bilhete Único se prepare: as filas estão grandes, principalmente após a prefeitura anunciar por decreto o fim do Bilhete Único Anônimo, fazendo com que os créditos possam ser perdidos se continuarem no antigo cartão.

O anônimo é um formato amplamente utilizado e que não possui vínculo do cartão com o CPF de algum usuário.

Com o fim iminente desse modelo, paulistanos correram aos postos de atendimento da SPTrans para conseguir um novo cartão e têm abarrotado os pequenos espaços espalhados pela cidade.

Você sabe como comprar o Bilhete Único? Primeiro, vamos para as diferenças…

Há duas formas de adquirir o Bilhete Único em São Paulo; solicitando de forma gratuita pela internet, com envio de foto 3×4 ou pagando R$4,30 (uma tarifa) pelo cartão, sem foto mas também sem cadastro online, tudo presencial.

Ambas as formas necessitam de associação do bilhete a um CPF para evitar fraudes. O Bilhete Único Personalizado, solicitado no site da SPTrans, no entanto, é o único com foto.

Se você tem mais interesse em comprar seu Bilhete Único e não tem tempo para fazer o cadastro online e esperar a aprovação da foto pela SPTrans, o melhor caminho é o Bilhete Único Comum com o cadastro simplificado

Nesse modelo, além dos R$4,30 que você paga pelo cartão é necessário, também, efetuar uma recarga de 5 passagens no ato de retirada do cartão. O total investido fica em R$25,80.

Para comprar seu Bilhete Único vá até um Posto de Venda e Atendimento da SPTrans. Confira os endereços. No dia leve seu CPF e documento oficial com foto.

Se quiser fazer o personalizado, com sua fotinho, acesse nosso artigo.

Apesar de dois modelos diferentes, ambos vão te dar um chá de cadeira na hora da retirada.

A startup OnBoard Mobility desenvolveu a entrega do Bilhete Único à domicílio com preços camaradas para a população. Inscreva-se no formulário abaixo para saber quando a iniciativa estará disponível.


Mudanças no Bilhete Único: quem precisa fazer um novo

Caso o seu cartão ainda seja o modelo abaixo, você está entre as pessoas que precisarão trocar de cartão.

Cartões anônimosOutros modelos anônimos eventualmente existem por aí, então tente se lembrar se, no dia que adquiriu seu cartão, você apresentou seus documentos ou não. Se a resposta for afirmativa, não se preocupe!

Outro problema desse momento de transição de cartões é que as filas de recarga ficaram maiores. O decreto da prefeitura limitou o valor da recarga em cartões anônimo para até R$48. Isso quer dizer que nenhum cartão anônimo poderá ultrapassar esse valor em créditos.

Com necessidade de fazer mais recargas, clientes do transporte público têm aumento idas à bilheterias.

Se ainda tiver dúvidas, acesse a página da SPTrans no Facebook no botão abaixo ou clicando neste link

Falar com SPTrans
Cresta Social Messenger

Veja como recarregar o cartão ÓTIMO no Facebook

Aprenda a usar o chatbot que faz sua recarga do ÓTIMO de forma rápida e sem as filas dos postos físicos

Recentemente o cartão ÓTIMO de Belo Horizonte e região lançou seu serviço de relacionamento com o consumidor via Facebook Messenger.

Usuários do transporte público agora contam com a recarga e o agendamento de atendimentos especiais nos postos físicos do ÓTIMO via chatbot (robô de mensagens).

Para facilitar a adesão ao serviço foi lançado um vídeo demonstrativo da recarga pelo chat da página ÓTIMO.

Veja abaixo como recarregar usando seu cartão de crédito (método inédito e exclusivo na venda de passagens).

Segundo a empresa que criou o chatbot, os dados sensíveis, como CPF e número de cartão não ficam salvos na conversa, garantindo a segurança do consumidor.

Qualquer problema pode ser rapidamente resolvido digitando “atendente” no chat.

Conversar com chatbot do ÓTIMO

Como já abordamos aqui no site, o agendamento para idosos e pessoas com deficiência, hoje feito exclusivamente por telefone, também são possíveis na rede social. Leia mais.

Conte nos comentários o que achou da novidade!

Idosos podem agendar atendimento do cartão ÓTIMO no Facebook

O cartão ÓTIMO, da Região Metropolitana de Belo Horizonte, lançou o agendamento de atendimento para idosos via chat do Facebook.

Agora assuntos relacionados ao cartão “Sênior” podem ser previamente agendados pela rede social no computador e pelo aplicativo Messenger no celular.

Acesse o chat do cartão ÓTIMO.

Pessoas acima dos 65 anos possuem gratuidade no transporte público da RMBH, e devem comparecer à postos físicos para solicitar o benefício. Com o agendamento prévio, garantem um atendimento tranquilo.

Para agendar via Facebook acesse a página do ÓTIMO na rede social e envie ‘oi’ no chat. Utilize as respostas prontas para selecionar as opções desejadas, como dia e horário do atendimento e conclua o agendamento. Veja o vídeo abaixo com a simulação por chat.

Com o agendamento feito, compareça ao posto selecionado com documento oficial com foto, uma cópia do documento, CPF, comprovante de endereço e protocolo informado no momento do agendamento.

Atendimentos sobre o cartão “Especial”, para pessoas com deficiência, também podem ser agendados no chat da página ÓTIMO no Facebook.

Com informações OnBoard Mobility.

Cartão ÓTIMO de Belo Horizonte e região terá recarga por Facebook

Consórcio ÓTIMO lança nova forma de recarga dos cartões e agendamento de atendimento presencial pelo Facebook

Desde que o cartão ÓTIMO foi lançado na Região Metropolitana de Belo Horizonte a vida dos clientes do transporte público ficou um pouco mais fácil e segura.

Com os cartões o embarque é agilizado, há segurança pois menos dinheiro precisa estar em circulação e a integração com mais de um ônibus é uma ajuda e tanto no cotidiano dos usuários.

A maioria das pessoas já se deu conta disso e usa o ÓTIMO diariamente em suas viagens. No entanto, visando facilitar mais a vida dos clientes, o consórcio que administra o cartão lançou a recarga por Facebook e Facebook Messenger.

A iniciativa é pioneira no mundo e coloca o ÓTIMO como um dos sistemas de transporte mais inovadores do país.

Se interessou por esse novo canal? Veja como é simples comprar usando seu cartão de crédito (método inédito na compra de créditos do ÓTIMO até então).

Além da recarga, também será possível realizar agendamentos para atendimentos presenciais, como solicitação de benefícios e solução de problemas.

A OnBoard Mobility, startup desenvolvedora do serviço para o ÓTIMO, confirmou ao Agora é Simples que os dados sensíveis, como número de cartão, não ficam salvos na conversa para a segurança dos clientes.

Quero usar o chatbot do ÓTIMO!

O que são chatbots?

Chatbots são robôs em aplicativos de mensagem, como o Messenger e WhatsApp, que nos auxiliam em tarefas simples.

Como fazer o cartão ÓTIMO

Além dos cartões benefício para pessoas com deficiência e idosos, existem os cartões ÓTIMO Identificado e Não Identificado. Veja como fazer e quais as diferenças.

O cartão Identificado permite que em casos de perda, roubo ou danificação os créditos sejam recuperados. Essa é a diferença máxima entre eles.

Para fazer o seu leia o Termo de Adesão e, junto a seu CPF, RG (ou similar) e comprovante de residência, entregue em um dos Postos de Venda do ÓTIMO.

O Cartão ÓTIMO Não Identificado pode ser adquirido em qualquer Posto de Venda ÓTIMO sem qualquer cadastro. O cartão custa R$2.

Atualmente, a empresa disponibiliza a migração do Não Identificado para o Identificado sem necessidade de deslocamento. Saiba mais no site do ÓTIMO.

Como saber se o seu Bilhete Único está ativo?

Saiba se o status do seu bilhete é ativo ou não pela internet

Teve problemas ao carregar o seu Bilhete Único? Por vezes, algo pode ter acontecido, como a danificação ou, até mesmo, o cancelamento pela SPTrans.

Para não colocar créditos em bilhetes desativados e correr o risco de perder a grana inserida, a SPTrans formulou um site para verificar se o Bilhete Único está ativo.

Na página, usuários podem conferir o que fazer caso seu bilhete esteja realmente desativado. Para acessá-la clique aqui.

Outro ponto importante é que, recentemente, a Prefeitura, por meio de decreto, encerrou o Bilhete Único Anônimo. Essa modalidade já não era mais comercializada desde 2018 e agora o poder público poderá cancelar todos os cartões sem identificação a qualquer momento.

No site também será possível verificar o tipo de bilhete que você possui. Caso não seja o bilhete identificado (que possui associação com um CPF), será necessário fazer um novo.

Esse artigo de ajudou? Confira alguns outros que podem ser úteis:

Como fazer o Bilhete Único em São Paulo

Fim do Bilhete Único Anônimo: o que muda na aquisição do Bilhete Único em São Paulo?

Se ainda tiver dúvidas, acesse a página da SPTrans no Facebook no botão abaixo ou clicando neste link

Falar com SPTrans?
Cresta Social Messenger

Bilhete Único Personalizado vira a regra em SP; veja como fazer o seu

O Bilhete Único anônimo será descontinuado e usuários devem trocar pelo Personalizado.

A última portaria da SPTrans alterou bastante coisas no Bilhete Único da capital, principalmente no Vale-Transporte.

Outra mudança foi o encerramento da vida útil dos bilhetes anônimos. Essa modalidade, que não está atrelada a um CPF nem possui foto, já vinha sendo descontinuada desde o ano passado, sem novos cartões emitidos.

A novidade, porém, é o cancelamento dos cartões sem identificação, que até então ainda podiam ser carregados.

Usuários do transporte público de São Paulo devem solicitar à SPTrans o Bilhete Único Comum Personalizado, que pode ser feito pela internet gratuitamente e retirada em postos ou diretamente neles, mas esse com taxa.

A SPTrans informa que os cartões não feitos pela internet, identificados, mas sem foto, custam R$4,30 mais uma compra mínima de R$21,50.

Pela internet usuários enviam uma foto 3×4 e depois retiram gratuitamente um cartão nos postos de atendimento da SPTrans.

Acesse nosso artigo especial para aprender como solicitar seu Bilhete Único Comum Personalizado pela internet ou presencialmente.

SPTrans anuncia revalidação do Bilhete Único escolar pela internet

A SPTrans divulgou que estudantes podem revalidar seu benefício pela internet usando aplicativos para celular. Alunas e alunos em São Paulo podem ter a meia tarifa no transporte público da cidade ou também o passe livre. Para saber qual modalidade se encaixa, estudantes deve entrar no site da instituição.

Para solicitar o benefício em 2019 solicite à instituição de ensino que envie seus dados à SPTrans. Acompanhe o status do pedido na área logada da SPTrans e, após aprovado, pague a taxa no valor de 7 tarifas, hoje R$30,10.

O site da SPTrans disponibilizará um boleto, mas em aplicativos como OnBoard, Banco do Brasil (correntista) e Ponto Certo estudantes podem pagar a taxa sem impressão de boletos.

Pelo Facebook também é possível revalidar o Bilhete Único Escolar na página “Bipay“, assistente virtual de mobilidade. Basta enviar ‘oi’ no chat e cadastrar o número do cartão escolar. Se o benefício já tiver sido aprovado pela SPTrans a opção aparecerá para pagamento.

Abaixo, um vídeo divulgado pela criadora do Bipay sobre o chatbot no Facebook (computador) e Messenger (celular).

No comunicado à imprensa, a SPTrans informa que as cotas de estudante já estão disponíveis para quem fez a revalidação.

Transporte em Goiânia se movimenta para competir com Uber Juntos

A HP Transportes, concessionária do transporte público em Goiânia (GO), anunciou no último dia 30 o City Bus 2.0, serviço complementar à malha de transporte público já existente, com o diferencial de ser um transporte sob demanda.

No aplicativo City Bus 2.0 clientes se cadastram e conseguem solicitar corridas em micro-ônibus de até 14 lugares, compartilhado com outros clientes que precisem se locomover no mesmo horário e por rotas parecidas.

Utilizando um complexo algorito o aplicativo calcula a rota e todos os usuários que solicitaram viagens podem se locomover alguns metros até o ponto ideal (o objetivo é tirar o menos possível os micro-ônibus de sua rota, otimizando a viagem).

Segundo matéria no Diário de Transporte, o valor mínimo da viagem é de R$2,50 e o aplicativo estará disponível para o público a partir do dia 10 de fevereiro.

A princípio, o serviço estará disponível apenas no centro expandido da cidade. O aplicativo deverá informar os bairros abrangidos na primeira etapa.

O lançamento do City Bus 2.0 é uma resposta a serviços como Uber Juntos e 99 Pool+, que fazem a viagem de vários usuários ao mesmo tempo, também sob demanda e com um valor muito abaixo das viagens tradicionais, aproximando-se do preço do transporte público.

São José dos Campos cria entrega do Bilhete Único à domicílio

Entrega do cartão de transporte é iniciativa inédita no país. 

A Prefeitura de São José dos Campos e o Consórcio 123, que opera os ônibus na cidade, lançaram hoje, 28, a emissão do Bilhete Único pela internet e entrega na casa do usuário.

A medida visa estimular o uso do cartão de transporte da capital do Vale do Paraíba, único meio para usar a integração. Segundo o comunicado da Secretaria de Mobilidade Urbana: “a medida inova e visa facilitar o dia a dia das pessoas, além de promover o uso do cartão, uma vez que só com ele é possível usufruir dos benefícios da integração entre linhas, pagando apenas uma passagem, dentro do período de duas horas”. 

Para solicitar seu Bilhete Único em São José dos Campos entre no site do Consórcio 123 e faça seu cadastro. 

Em até três dias a equipe responsável entrará em contato por telefone com mais detalhes. A entrega não possui custos para os clientes.

Usuários que precisem da segunda via necessitam, primeiro, fazer o bloqueio do cartão perdido no número 0800 772 7730. Depois disso podem solicitar normalmente o cartão pela internet. A Prefeitura alerta que a gratuidade da segunda via vai até 28 de março, entretanto, não informa qual será o valor da segunda via após o prazo.

 

SPTrans lança página para orientar estudantes sobre benefícios

Durante janeiro estão abertas as inscrições para os benefícios de estudante no transporte público de São Paulo. Todas as pessoas com vínculo em instituições de ensino, desde que nos cursos abrangidos pela regulação dos benefícios, têm direito à meia tarifa. Dependendo da renda, porém, estudantes podem ter o passe livre estudantil, gratuidade garantida por lei em 2015.

Para resolver dúvidas sobre quem tem direito à meia tarifa ou a gratuidade a SPTrans, órgão que regula o transporte público na cidade, criou uma página especial para esse momento de cadastro de benefícios.

Por lá estudantes respondem a questões que os levam ao benefício no qual tem direito. Nós testamos a ferramenta e ela é muito prática. Quem está com dúvidas apenas responde as características na qual se enquadra – renda, tipo de instituição de ensino, etc. – e recebe uma resposta com orientações para fazer seu bilhete único estudante.

Confira aqui a página especial da SPTrans para estudantes.

Cartão BHBus terá recarga e atendimento online pelo Facebook

Consórcio Transfácil amplia formas de recarga do BHBus pela internet. 

Belo Horizonte tem um dos maiores sistemas de transporte sob pneus do país. Para facilitar a vida de tantas pessoas que usam o serviço diariamente foi criado o BHBus, cartão que dá acesso ao transporte público na cidade de forma rápida e segura.

Hoje o Transfácil, consórcio que administra o cartão e a bilhetagem na cidade, disponibiliza a recarga do BHBus em terminais de ônibus, BRT e metrô, quiosques, site e dentro dos ônibus durante a semana. Para expandir as opções a empresa anuncia mais uma forma de recarga do BHBus online: pelo chat do Facebook.

Pioneira no mundo, a iniciativa levará mais conveniência para os passageiros e coloca o Transfácil como um dos consórcios de transporte público mais inovadores do país ao adotar novas tecnologias nas operações.

A recarga pelo Facebook facilitará o acesso ao transporte público por usuários que andam afastados, principalmente jovens que não costumam andar com dinheiro para pagar as passagens e, por isso, muitas vezes acabam optando pelo transporte individual.

O BHBus poderá ser carregado na página do BHBus no Facebook. No computador a compra pode ser feita no próprio Facebook, via chat, e no celular pelo aplicativo Messenger, da própria rede social. O pagamento é por cartão de crédito, método inédito e exclusivo no sistema de transporte de Belo Horizonte.

A tecnologia foi desenvolvida pela startup OnBoard Mobility, residente do programa de aceleração mineiro SEED, localizado no Rainha da Sucata, na praça da Liberdade. A OnBoard desenvolve tecnologias para mobilidade urbana e também está presente em São Paulo, comercializando passagens do Bilhete Único. Em 2017 foi eleita a melhor solução para cidades inteligentes pelo Smart City Business em Curitiba e pelo Connected SmartCities em São Paulo.

Mais serviços no BHBus

Além da recarga a página do BHBus servirá também como canal de atendimento aos consumidores por meio do chat e solução de dúvidas rápidas. Esse último serviço feito a partir de Inteligência Artificial, tecnologia que permite automatizar perguntas frequentes e de fácil resposta.

Como fazer o BHBus

Para clientes comuns, ou seja, que não possuem benefícios de estudante, idoso ou pessoas com deficiência, existem dois tipos de cartão: o Identificado e o Ao Portador.

O Identificado pode ser feito no posto Transfácil no bairro floresta. Para isso imprima e assine o contrato de cessão de uso do cartão BHBUS – comodato. É necessário levar também cópia da carteira de identidade, CPF e comprovante de residência.

O Ao Portador pode ser comprado por R$2 em quiosques, dentro dos ônibus e em outros pontos físicos. Essa modalidade, porém, não permite a recuperação de créditos em casos de perda, furto ou danificação.

Curtiu? Deixe seus dados abaixo para ficar sabendo do lançamento primeiro!

O que é a SPTrans? Tudo sobre o órgão que regula os ônibus, o Bilhete Único, o passe livre e mais!

A SPTrans é o canal oficial sobre os ônibus e o Bilhete Único em São Paulo

Já teve algum problema com seu Bilhete Único? Se a resposta for sim, para resolver você provavelmente entrou em contato com a São Paulo Transporte S.A, mais conhecida como SPTrans, pois é ela que cuida do sistema de bilhetagem da capital paulista.

A SPTrans é uma autarquia da Prefeitura e foi fundada em 1995 para fazer a gestão do sistema de ônibus público de São Paulo. Por gestão entende-se que ela fiscaliza, regula e abre editais para que concessionárias de ônibus, estas empresas privadas, atuem na cidade.

Hoje, além do Bilhete Único e da gestão dos ônibus, comanda também os terminais de ônibus, corredores, benefícios como estudante e idoso e é fundamental para que certas tecnologias cheguem ao usuário final, como o horário dos ônibus e itinerários.

Se alguma vez você usou um aplicativo para saber se seu ônibus estava para passar ou, ainda, recarregou seu Bilhete Único pela internet, a SPTrans foi grande responsável, pois garante que a informação gerada pelos ônibus e o sistema de bilhetagem esteja disponível para empresas de tecnologia, como a OnBoard Mobility, CittaMobi, entre outras.

O Bilhete Único

Criado em 2004, o cartão de transporte paulista foi inspiração para várias outras iniciativas no setor pelo país. Com o objetivo de facilitar, garantir governança sobre o sistema de transporte e aumentar a segurança, rapidamente o Bilhete Único se tornou parte fundamental do cotidiano dos paulistanos.  

Com a adesão do Metrô e da CPTM, modais operados pelo Estado de São Paulo, o Bilhete Único ficou ainda mais poderoso e atrativo, sendo obrigatório na carteira de todos que andam de transporte público.

Sempre inovando, a SPTrans busca aperfeiçoar o Bilhete Único, como exemplo o lançamento do Mensal e Diário, cargas que valem por períodos de tempo e são vantajosos para quem usa frequentemente o transporte público.

Recarga do Bilhete Único

Além das bilheterias do metrô, trem e terminais de ônibus, a SPTrans proporciona uma ampla rede de lojistas credenciados. Aplicativos também estão no meio, assim como chatbots, uma grande novidade em recargas.

A SPTrans foi a primeira do mundo a oferecer recarga do cartão de transporte pelo Facebook, outra inovação que dialoga com o público mais jovem e habituado com as redes sociais.

Serviço de Atendimento Especial – o Atende +

Um serviço social bastante relevante é o Atende +, que presta serviços a pessoas com deficiência severa e auxilia a mobilidade desses cidadãos. O Atende + vai até a casa de quem agendou previamente uma viagem e deixa no destino com a volta programada.

O horário de atuação é das 7h às 20h. Para solicitar uma van é necessário preencher uma Ficha de Avaliação Médica e, claro, cumprir certos requisitos.

Benefícios: Estudantes, Idosos e Pessoas com deficiência

São Paulo conta com um sistema de transporte que garante diversos benefícios para o exercício do direito de ir e vir.

Estudantes têm meia tarifa garantida e aqueles de baixa renda possuem o Passe Livre, permitindo viagens até à instituição de ensino de forma gratuita.

Idosos também possuem gratuidade, assim como pessoas com deficiência. O cadastro é feito presencialmente em um Posto de Venda e Atendimento da SPTrans.

Dica: Nesse link você fica sabendo dos documentos necessários para fazer seu Bilhete Único Especial – idoso ou pessoa com deficiência.

Estudantes podem conhecer mais sobre seu direito no nosso artigo “Quem tem direito e como pedir o Passe Livre na SPTrans”.

Postos de Venda e Atendimento e telefone da SPTrans

Para resolver problemas com o Bilhete Único e retirar quaisquer dúvidas sobre o sistema de transporte paulistano a empresas criou canais de atendimento.

O principal jeito de falar com a SPTrans é pelo telefone 156 onde você pode tirar dúvidas simples.

Quando o assunto é resolução de problemas com o Bilhete Único ou, até mesmo, a retirada do cartão, solicitação de segunda via, etc. o ideal é procurar um Posto de Venda e Atendimento.

Cartões solicitados pela internet podem ser retirados nestes locais, além de questões como Vale-Transporte, Passe Livre Estudantil, entre outros.

Quer ver qual é o melhor posto para você? Confira abaixo a relação de postos. Mas preste atenção: talvez o serviço que você precisa não esteja disponível no local de seu interesse.

Por fim, nessa página do site da SPTrans você confere os serviços disponíveis em cada posto e pode digitar seu endereço para encontrar mais facilmente o mais perto de você.

Endereços dos Postos de Atendimento da SPTrans

Loja Augusta

Endereço: R. AUGUSTA, 449

Horário de funcionamento: 08:00 – 16:30 ( Seg a Sex )

Posto Metrô Jabaquara

Endereço: AV. ENG. ARMANDO DE ARRUDA PEREIRA, 0

Horário de funcionamento: 07:00 – 17:00 ( Seg a Sex )

Posto Santana

Endereço: R. OLAVO EGÍDIO, 157

Horário de funcionamento: 07:00 – 17:00 ( Seg a Sex )

Term. A E Carvalho

Endereço: ESTR. DO IMPERADOR, 100

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Amaral Gurgel

Endereço: R. DR. FREDERICO STEIDEL, 107

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Ângela

Endereço: ESTR. DO M’BOI MIRIM, 4901

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Aricanduva

Endereço: AV. AIRTON PRETINI, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Bandeira

Endereço: PÇA. DA BANDEIRA, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Cachoeirinha

Endereço: AV. INAJAR DE SOUZA, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Campo Limpo

Endereço: R. CAMPINA GRANDE, 43

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Capelinha

Endereço: ESTR. DE ITAPECERICA, 3222

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Carrão

Endereço: AV. DEZENOVE DE JANEIRO, 884

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Casa Verde

Endereço: PÇA. DAS MONÇÕES, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Cidade Tiradentes

Endereço: R. SARA KUBITSCHECK, 165

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Grajaú

Endereço: R. GIOVANNI BONONCINI, 77

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Guarapiranga

Endereço: ESTR. DO M’BOI MIRIM, 152

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. João Dias

Endereço: AV. JOÃO DIAS, 3589

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Lapa

Endereço: PÇA. MIGUEL DELL´ERBA, 50

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Parelheiros

Endereço: ESTR. DA COLÔNIA, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Penha

Endereço: AV. GABRIELA MISTRAL, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Pinheiros

Endereço: R. GILBERTO SABINO, 133

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Pirituba

Endereço: AV. DR. FELIPE PINEL, 60

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Pq. Dom Pedro

Endereço: PQ. D. PEDRO II, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Princesa Isabel

Endereço: PÇA. PRINC. ISABEL, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Sacomã

Endereço: R. BOM PASTOR, 3000

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Santo Amaro

Endereço: AV. PE. JOSÉ MARIA, 400

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. São Miguel

Endereço: R. GUARACAPÁ, 350

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Sapopemba

Endereço: AV. ARQ. VILANOVA ARTIGAS, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Term. Varginha

Endereço: AV. PAULO GUILGUER REIMBERG, 0

Horário de funcionamento: 00:00 – 23:59

Veja como solicitar a revalidação do benefício de estudante e pagar a taxa pela internet

Veja como revalidar e pagar a taxa da sua Carteira de Identificação Estudantil da forma mais prática: 

Todos os anos, alunos da capital paulista precisam revalidar sua Carteira de Identificação Estudantil, nome do Bilhete Único para estudantes, com o objetivo de continuar usando o benefício, seja a meia tarifa ou a gratuidade completa.

Peça à sua instituição de ensino que envie os dados de matrícula para a SPTrans. Acompanhe o pedido no site de estudante da instituição.

Mas preste atenção: Quem tem direito ao Passe Livre e estuda no ensino superior da rede privada e pública, e profissionalizante da rede privada precisam confirmar o número NIS, aquele dado pelo CadÚnico a pessoas de baixa renda. Insira o número na sua página de estudante no site da SPTrans.

Para verificar se você tem um NIS válido acesse o Consulta Cidadão.

Caso não tenha, procure um CadÚnico.

Uma vez aceito, pague a taxa de revalidação no valor de 7 tarifas, hoje R$30,80 que será disponibilizada por boleto. Lembre-se, também, de conseguir um selo de validação do cartão em qualquer Posto de Venda e Atendimento da SPTrans.

O benefício para estudantes poderá ser usado a partir do dia 1º de fevereiro. Veja uma publicação ilustrativa da SPTrans abaixo:

Como emitir o boleto para pagar o Bilhete Único para Estudantes?

Você não precisa imprimir nada, é moleza fazer isso pela internet! Você pode pagar com Bipay, chatbot no Facebook. Usando o Messenger no celular ou o Facebook no computador pague a revalidação por meio da conversa usando o cartão de crédito.

> Inicie uma conversa com Bipay no Facebook ou Messenger (app de mensagens no celular);

> Se ainda não tiver um cadastro na plataforma, faça usando os mesmos dados do Facebook!

> Insira o número do seu Bilhete Único;

> O sistema identificará que se trata de um Bilhete de estudante, entre os produtos do chat escolha o pagamento da taxa de revalidação;

> Cadastre seu cartão de crédito e pague! Simples e sem burocracia (:

Bipay é uma solução de chatbot da startup de mobilidade OnBoard Mobility, que busca soluções para tornar o transporte público mais prático. O serviço é homologado pela SPTrans, portanto, oferece segurança à todos os clientes.

Falar com Bipay e pagar a taxa

Lembre-se: seu benefício poderá ser usado somente a partir de fevereiro!